Saiba mais sobre O Hobbit, Senhor dos Anéis…

Comentários sobre o Hobbit, a Desolação de Smaug!

by Eduardo Stark

 

 

AVISO: O que se segue são minhas visões pessoais sobre o filme O Hobbit, a Desolação de Smaug e refletem meu pensamento e não o do site Tolkien Brasil. Tenha sempre em mente que sou um fã do diretor Peter Jackson, mas tenho senso crítico sobre o que é feito. Se você não gostou do que foi escrito, comente abaixo, mas seja inteligente e escreva algo produtivo e sem ataques pessoais, porque isso só comprovaria o quanto você não tem argumento para defender suas ideias e o quanto é mal educado.

 

No ano passado eu decidi lançar minha análise ao filme O Hobbit, uma jornada inesperada depois de ter assistido várias vezes e expondo especialmente os aspectos negativos do filmes. Mas dessa vez, com o Hobbit, a Desolação de Smaug pretendo expor aqui minhas considerações da primeira impressão, que pode (ou não) serem alteradas após assistir mais algumas vezes e com uma versão estendida.

De um modo geral achei O Hobbit, a Desolação de Smaug melhor que O Hobbit, uma jornada inesperada, pois é um filme mais dinâmico e tenta não te dar sono ao longo do filme.

Em termos de efeitos visuais e cenas de lutas dos personagens ficou tecnicamente bom. Mas isso é mais que esperado de um filme de grande produção cheio de recursos. O que me importa é a história, como o roteiro foi passado na tela e especialmente evidenciar as coisas estranhas e até ingênuas que o roteiro mostra.

Antes que as pessoas me acusem de ser “purista” (uma terminologia pejorativa dos fãs dos filmes aos outros fãs dos filmes que criticam cenas que diferem muito dos livros), não estou tomando como base para análise os livros, apenas apontando o que ficou estranho e expressando minha opinião sobre o filme enquanto filme.

Já havia dito que nos filmes de O Hobbit não dá para comparar com os livros, porque é praticamente outra história, mas com os nomes dos personagens dos livros. Por isso a análise mostra aspectos do filme em si e não faz uma comparação com os livros.

O filme apresenta muitas coisas que seriam tidas como ingênuas demais, mostrando que o filme é voltado para o público mais jovem (até 18 anos mais ou menos). Por isso se você está nessa faixa de idade provavelmente vai gostar das várias cenas de batalha e as cenas de circo, porque é normal para sua idade gostar disso. Mas se você tem uma certa experiência de vida provavelmente vai entender esses aspectos no filme de uma forma diferenciada…

 

A busca de Erebor

 

A primeira cena foi interessante, com um flashback de um momento antes dos anões irem para o condado. Começando com o Peter Jackson aparecendo na tela, tal como ele apareceu em Bri no filme Senhor dos Anéis, a sociedade do anel. A filha do diretor também aparece como uma garçonete do pônei saltitante.

Thorin no pônei saltitante se sente intimidado pelas pessoas que ali se encontram, mas Gandalf aparece e eles conversam a respeito da aventura que poderiam realizar. Essa parte está no apêndice do Senhor dos Anéis, mas também está no livro Contos Inacabados em um capítulo inteiro chamado A Busca de Erebor.

A cena seguinte volta ao momento de onde a história do filme anterior havia terminado. Os anões estão fugindo do Azog e Bilbo está sorrateiramente analisando onde estava o inimigo, mas acaba descobrindo que é na verdade outra criatura: o Beorn em forma de urso.

 

beorn2

 

Cenas com Beorn, o calmo

 

Ah Beorn….

Não tenho palavras pra descrever o quanto essa cena ficou estranha e corrida. A começar pela caracterização do personagem que ficou muito diferente do imaginário comum dos leitores. Quando as primeiras imagens do Beorn foram lançadas vários fãs não gostaram dessa caracterização e talvez por isso o diretor possa ter optado por reduzir a participação desse personagem e deixado as outras cenas para uma versão estendida.

O personagem Beorn ficou sem um aprofundamento que fosse interessante para o desenrolar da história. Ficou apenas como um cara peludo (mas que faz questão de rapar o bigode) que teve a casa invadida pelos anões, mas ele rapidamente perdoou deu comida e deixou irem para floresta.

Para essa cena a pergunta é: Você sendo o único de uma raça (no filme…) confiaria em anões e outros seres que você nunca viu na vida, que invadiram sua casa¿ Você confiaria em invasores e dariam crédito ao que eles falaram sem buscar uma prova¿

Resumo em um diálogo assim:

Beorn:_ Oi

Anões:- Oi tudo bem¿ Somos estrangeiros, você nunca nos viu, mas já estamos dentro de sua casa e pegamos na sua geladeira aquele bolo que você estava guardando, beleza¿

Beorn: Mas o que vocês estão fazendo aqui em minha casa¿

Anões: Só de passagem mesmo. Somos inimigos dos orcs.

Beorn: Inimigos dos Orcs¿ Ah tudo bem então são meus amigos. Não precisam provar que são inimigos dos orcs, eu mesmo sendo o único da minha espécie acredito em vocês só porque vocês disseram. Fiquem a vontade não me importo com pessoas que invadem minha casa e dormem nela sem meu consentimento.

Anões: Não tem problema se eu te pedir pra arrumar um refri pra acompanhar o bolo que pegamos¿

Beorn: – Ah sim, pode ficar tranquilo. Sou o único da minha raça mesmo, não sou traumatizado e desconfiado até da minha sombra por ser o único que sobrou. E se quiserem podem comer a vontade, vou ali buscar o refrigerante pra vocês e ainda dou de brinde uns pôneis pra sua viagem.

 

Pergunta: Você é o último de sua espécie, mora ao lado de uma floresta cheia de monstro e Orcs. Tem sua casa invadida por um monte de pessoas, e elas dormem e comem na sua casa. O que você faria com essas pessoas?

 

Bolg, o troca pele

 

Diferentemente do Beorn. Um personagem que troca pele é o Bolg. Ele aparece no primeiro filme na batalha de Azanulbizar. Com a imagem a seguir:

Bolg-1

 

Mas parece que o diretor Peter Jackson optou por mudar o ator e o personagem ficou em computação gráfica pura, tal como o Azog. O ator anterior era o Conan Stevens e agora o papel ficou com Lawrence Makoare Para o azar (ou não) de quem já havia comprado os bonecos do Azog lançados no ano passado e que tinha o estilo da foto acima.

O diálogo do Bolg com o… Voldemort¿ Ah sim… é o Sauron em forma de sombra… Quase achei que estava assistindo Harry Potter.

 

Cena da floresta das “trevas”

Saindo da casa de Beorn, os anões vão para a floresta das “trevas”. A floresta ficou bem feita e tudo mais. Mas sinceramente eu esperava que fizesse jus ao nome “Trevas”. Essa cena seria perfeita se o diretor optasse por fazer algo como um filme de terror… com suspense enquanto os personagens andavam e não sabiam o que poderia surgir da escuridão, levando sustos a cada suspeita. Mas ao invés disso, a opção foi fazer um jogo de vídeo game e luta com as aranhas que não dá nenhum pingo de medo.

Resumo em um diálogo assim:

Aranha: Onde está você? Você me bateu com sua espada mas eu não to te achando.

Bilbo vendo que a pobre aranha boboca não podia vê-lo TIRA O ANEL e diz:

Bilbo: Oi aranha, olha eu aqui. Não estou preocupado com o fato de meus amigos estarem presos por teias, em uma floresta das “trevas”. Digo isso porque tirei o anel só pra satisfazer sua vontade antes de eu te matar. Não me importo em tirar o anel, mesmo sabendo que essa é a minha única forma de ficar salvo em meio a isso tudo. Mas eu prefiro que as aranhas me vejam enquanto luto com elas, porque…. qual a graça se elas não me vissem NE?

Aranha: mas você pode perder o anel com isso… não vai te dar mais problemas¿

Bilbo: Pode deixar que eu procuro em meio as “trevas” e vou achar o anel mesmo tendo caído e pulado várias vezes.

Aranha: Ah sim… então você não ia me dar uma ferroada¿

Bilbo: ah taa… tomaa…

 

Pergunta:  Você está sozinho, em uma floresta escura cheia de aranhas gigantes, você é fraco e pequeno… mas você tem um anel que pode te fazer ficar invisível. O que você faz? 

a) tira o anel e se mostra para as aranhas?

b) tira o anel, mesmo sabendo que ele pode cair e sumir no meio do escuro

c) não tira o anel de jeito nenhum porque você se preocupa com sua vida e que ajudar os seus amigos que estão presos.

 

 

DoS Annual 2014 (4)

 

Primeira cena de Tauriel

 

Os elfos chegam pra salvar a pátria. Matam as aranhas que estavam por ali. Mas o que me chamou a atenção foi a cena de Tauriel.

Gostei porque pode ser facilmente cortada a cena em que ela aparece e não há nenhuma interferência nos diálogos. Não precisa ser um bom editor pra retirar essa cena em um vídeo na sua casa.  Basta ver que Legolas começa um diálogo com a Tauriel e segundos depois ele já está segurando a espada de Thorin, Orcrist. Mas eu entendi direito? Ele disse que a espada era de sua família?

A cena de Tauriel mostra o Kili sendo deixado para trás e sendo atacado pelas aranhas e a Tauriel surge e salva a vida do anão. Tem aqui o início do romance….affff…

Depois Tauriel prende o Kili nos salões do Thranduil. Que vergonha alheia Kili pedindo para ser revistado pela elfa. Depois chega o Legolas recalcado perguntando sobre os sentimentos dela pelo anão… WTF!!! Nível crepúsculo. (Pense só que o cara vive e convive milhares de anos com a elfa Tauriel… teve tempo de sobra ne¿).

 O que incomoda nas cenas de Tauriel é basicamente o fato de serem desnecessárias (se você recortar todas as cenas que ela aparece o filme continua da mesma forma) e pelo fato de ocuparem espaço precioso no filme que poderia ser muito bem colocado na cena do Beorn (ah melhor não… o Beorn é o calmo…).

As outras cenas de Tauriel é o Thranduil conversando sobre o namorico dela com o Thranduil e a cena de Tauriel conversando com o Kili sobre a pedrinha que a mãe deu para ele e o Legolas só olhando e ficando com a dor no cotovelo… afff…

Pergunta para as meninas: Você se apaixonaria por um anão, estrangeiro, que estava fedido (não tomava banho a vários dias) e que não tinha educação,  só porque ele pediu pra ser “revistado”? (e você tem 600 anos e não é mais uma adolescente que gosta de caras só pelos músculos).

 

Cenas com Thranduil

 

Em seguida os anões são levados para a residência do rei dos elfos Thranduil. As cenas com o elfo ficaram interessantes, pois o ator fez uma boa interpretação, especialmente em seu encontro com o Thorin.

Mas que coisa tosca é aquela no rosto do Thranduil aff… Elfos (além do poder de teleporte visto no primeiro filme do hobbit) agora tem também o poder de regeneração ou retorno ao ferimento curado para amostra?

Pergunta: Se você fosse um rei, de um território que vive ameaçado por um mal que dorme (Smaug) e por Orcs e criaturas na floresta. Você iria mostrar um ferimento (um sinal de fraqueza) para um estrangeiro e potencial inimigo (Thorin)?

A pedra arken agora tem um papel importante na história, pois é dito que ela teria a capacidade de legitimar o rei sob a montanha e reunir os anões para atacar o Smaug. Como se Thorin não fosse legitimo o suficiente para já ser o rei sob a montanha (basta ser o filho do Rei para ter direito ao trono). Mas de certa forma isso se tornou interessante para justificar a razão de no primeiro filme terem escolhido um ladrão no grupo dos anões, sendo que todo o tempo eles queriam não roubar, mas matar o dragão.

 

Cenas da fuga dos barris

 

Os anões conseguem fugir com a ajuda do Bilbo, mas são perseguidos pelos orcs de Azog. Aqui estão as cenas de circo e malabarismo dos elfos, onde Legolas usa algumas vezes o arco…de perto… E cenas de lutas no estilo das duas torres etc. Embora seja excessiva, a cena foi necessária para agitar o filme.

Mas o que me deixa intrigado é que em pleno portão do reino dos elfos há vários orcs… Isso seria ingenuidade, despreparo ou imprudência de um rei que não vigia suas fronteiras? Os elfos não tinham vigias espalhados pela floresta pra observar a aproximação de um grupo de orcs? Cadê o Legolas que enxergava com seus olhos de águia a kilometros de distância?

Mais uma vez cenas de Kili… agora sendo atacado e levando uma flechada mortal na perna.

Pergunta: O mundo a sua volta está um caos. Tem um dragão dormindo do lado da sua casa,  e você vive em um local cheio de criaturas noturnas e estranhas.Você é um rei elfo. O que você faria?

b) Manteria uma vigilância constante nas fronteiras e em toda região e me comunicaria sempre com os animais da floresta pra saber se vem os inimigos

c)  deixaria tudo como estava, a final eu sou um rei élfico com um queimado no rosto. Veria mais de 30 orcs chegando e continuaria tranquilo, mesmo eles estando na porta do reino… ah melhor mandar meu filho e único herdeiro lutar contra eles e se arriscar morrer e eu não ter uma sucessão da minha linhagem no trono.

 

Cenas de Gandalf em Dol Guldur

 

A cena de Gandalf em Dol Guldur, embora estranho o encontro de Sauron com o Gandalf, foi uma cena que chamou a atenção e ficou até interessante. A atuação de Sir Ian é realmente muito boa. Embora Radagast apareça de forma estranha também (será que ele é igual Galadriel e tem poder de teletransporte¿) ele dessa vez se comportou.

Nota-se a ausência do Thrain pulando e lutando contra o Gandalf. Talvez essa cena fique na versão estendia do filme.

A luta de Sauron contra Gandalf é em termos visuais muito interessante. Mesmo que estivesse parecendo uma cena de luta de Dumbledore contra Valdemort, essa é uma das cenas que achei mais instigantes, em termos visuais.

 

gandalfdesolaçãodesmaug

 

Bard, o papai

 

Gostei do personagem Bard (não a caracterização) e o aprofundamento dado ao personagem. Mostrando sua tensão e jogo político. O interessante é mostrar que ele tem uma família e tem algo a perder com tudo o que pode ser feito pelos anões. Em termos do roteiro do filme ficou boa essa parte, até por ressaltar os conflitos políticos da cidade e a noção de poder do prefeito e suas leis.

A ajuda do Bard para esconder os anões também foi interessante… quer dizer… colocar os anões em privadas para se esconder?

A melhor cena é o Thorin oferecendo o tesouro ao povo e o Bard discordando dele.

 

Outras cenas de Tauriel

 

Tauriel aparece novamente em uma cena para torturar um orc e buscar informações a respeito. Mas uma das piores cenas do filme ocorreu quando o anão Kili estava sendo curado pela elfa… quanto nonsense. Dando a Tauriel um certo aspecto de Arwen. Mas como disse, as cenas podem ser simplesmente cortadas em uma edição caseira. Os editores do filme deram essa opção (meio sem querer) ao público.

 

Cenas de Smaug e Estátua Gigante dourada

 

A melhor parte do filme inteiro é o encontro do Bilbo com o Smaug. Ver o dragão interagindo com o hobbit realmente é algo que ficou sensacional… até que Thorin aparece….

Como um grupo de seis  anões e um hobbit poderia lutar contra um dragão enorme, que havia destruído um exército inteiro de anões¿

Tudo bem, poderia se justificar para dar um tom de história épica para o filme. Só que não teve esse efeito. Pelo contrário. Ficou uma cena novamente forçada culminando com algo incrivelmente tosco: A estátua gigante dourada.

Nessa cena o diretor conseguiu superar o exagero e a desnecessidade da cena. No filme Thorin tem a ‘brilhante’ ideia de esquentar uma estátua gigantesca feita de ouro e derretendo a estátua ela iria acertar o dragão , que seria derrotado… Quando eu vi a cena imaginei que o Anão gigante dourado iria lutar contra o Smaug… como se fosse um robô gigante projetado pelos anões…

Mas como ele não pensou que aquele não é um simples dragão… mas SMAUG o terrível, com sua couraça intransponível, cujo fogo ou o calor não afetam¿ Smaug é um dragão de fogo a final…

Mas tudo bem foi uma tentativa que não deu certo. O Smaug tomou um banho de ouro derretido. E qual a reação de um vilão nessa hora? Contra atacar.

Certo, agora o Smaug vai tacar fogo geral nesses anões… E o que acontece? Não, ele prefere largar os anões com o tesouro na montanha e ir até a vila…

Pergunta: Você tem sua casa invadida, seu invasor quer tomar a posse da sua casa a todo custo e até te humilha jogando um balde de água na sua cara… e o que você faz? Sai da sua casa e vai até a casa do vizinho quebrar as coisas dele?

ourodesmaug

 

Conclusão

 

Essas foram as minhas primeiras impressões. O filme deixou muitos buracos no roteiro que provavelmente devem ser melhor preenchidos com uma versão estendida.

De um modo geral, se você quer se divertir sem se preocupar com o roteiro é um bom filme pra passar o tempo, mesmo que apresente ideias ingênuas demais.

O maior problema em se tratando de uma adaptação é tentar adequar uma obra existente a outro estilo. No caso transportar a ideia geral do livro para o cinema. Ocorre que nesse filme isso não aconteceu. Não foi propriamente uma adaptação, mas uma criação dos roteiristas.

Usaram os nomes dos personagens, o mundo criado, mas a história em sua grande maioria é criação dos roteiristas e não adaptações.

Muitas pessoas dizem que esse filme ficou melhor que o primeiro porque tem mais ação. Sim, ele ficou melhor na dinâmica do filme propriamente, mas sinto que é como se estivessem comparando o ruim com o muito ruim. Então em termos de comparação ele estaria melhor que o Hobbit, uma jornada inesperada. Mas se colocado dentro do mesmo bloco junto com o senhor dos anéis, ainda assim seria bem inferior ao que foi feito há mais de dez anos atrás…

 

  • Eustaquio Alencar

    Na minha opinião foi o pior filme dos 5. inventaram uma Elfa gostar de um anão !!!! eles se odeiam!!!!! agora no sexto vão inventar um Elfo com outro Elfo para agradar a comunidade GLStgzxshhyuhg…

  • Nathalie Pottier

    Nossa, achei as cenas da Tauriel ótimas, se você ver por esse aspecto de cenas cortadas, nossa, poderiam ter diminuído horrores aquele Bilbo chato conversando com o dragão, ô coisa massante, meu namorado dormiu várias vezes, eu até cochilei…. não sei porque fica pegando no pé da Tauriel??? Agora, se me perguntar, nao penso que ela se apaixonou pelo anão não. Quem realmente assistiu o filme com mais atenção vê que é mais do que isso… não tem nada a ver com Crepúsculo… Tauriel é a mãe do Kili…. quase certeza disso….

    • Luiz França Júnior

      A mãe do Kíli é uma anã…tá na árvore genealógica do Apêndice A, do livro O Retorno do Rei… :D

  • Lukas

    Achei que o filme não tem nada a ver com a magia de O Senhor dos Anéis. Não estou aqui para agradar nenhum diretor. E por quê o dragão fala? Ficou muito blábláblá: “Sou um dragão mau, com minhas garras afiadas eu sou o o maior” etc. Perdeu muito a essência dos outros filmes, o suspense e a qualidade. Cenas muito jogadas, muita enrolação só para poder explicar como eles chegaram até a montanha. O segundo filme do Hobbit me decepcionou. Se fosse um filme que não tivesse a ver com a trilogia tudo bem, mas quem viu os filmes até o Hobbit 1 e for ver o segundo vai se revoltar. E não sou o único, quase todo mundo saiu do cinema reclamando.

    • Felipe Lira

      O Smaug fala, porque no livro ele FALA! Simples assim!

  • Ana lIMA

    a segunda parte do filme me deixo decepcionada Estragaram muitas coisas legais do filme.

  • Soleil Michaud

    Eu particularmente gostei e muito do filme, já vi 4 vezes e acho que vou ver mais. Mas gosto de acrescentar o fato que não li o livro e acho que nem vou ler. Algumas observações “negativas” sobre o filme age como deserviço para quem ainda não leu os livros. Eu sempre digo que todo fan de algum livro adaptado acha que todo mundo já leu a obra original e a crítica é sempre em cima do que faltou, o que está diferente e NUNCA sobre o filme. Como se as pessoas quisessem que a história do livro ficasse sempre no livro. Cada pessoa que ler um livro vai imaginá-lo de modo diferente. Aí que mora a magia. Mas é tanto preciosismo em cima do livro original que faz com quem tenha gostado do filme um idiota. Eu tinha curiosidade em comprar os livros em respeito aos personagens que achei interessante e sei que sempre terá mais coisas legais no livro, mas eu perdi totalmente a vontade de lê-los. Gostei do filme como está, com Tauriel, com Legolas e tudo o mais, do jeito que está, se isso não está no livro com certeza deveria estar e foi uma tremenda falta de vontade do autor, e um mérito do Peter Jackson que sacou que poderia incluir um romance na história, e cada vez que alguém fica com churumelas é um livro que deixa de sair da prateleira e mais um trocado que eu dou para o filme no cinema, eu espero que supere e muito antecessor. Outra coisa que já ia esquecendo. Porque desde Crepúsculo não pode ter mais romance na tela? Tudo tem que ser comparado com Crepúsculo? E o Vento Levou, Casablanca e outros clássicos tem romance e são um lixo!? Ah tá! Romeu e Julieta também é ruim, já ia esquecendo, romances com conflito e impossível nos dias de hoje, jamais. Tá bom.

  • Natasha Ishida

    Quando o Gandalf fala com o Thorin no inicio do filme A Desolação de Smaug, ele sabia que tinha gente atrás do Thorin. Em Uma Jornada Inesperada, quando os orcs começam a perseguir eles, antes de Valfenda, o Gandalf feita com o Thorin “pra quem você contou?”, mesmo ele sabendo que o Thorin já tava sendo perseguido. :v

  • Leandro Laia

    Ahhh … eu queria a cena da chegada da propriedade do grupo na propriedade do Beorn. Acho que seria bem engraçada.

    Poxa, estenderam pra 3 filmes. Pensei que a parte de Beorn e a Floesta seriam maiores, mas foi correria pra ir direto pro show off dos elfos. Realmente esse lance de atirar flechas a uma metro de distância o tempo inteiro é estranho (talvez pros elfos não seja).

    Realmente o lance do anão gigante foi desnecessário.

    O filme me divertiu, mas poderia ter sido mais pé no chão.

  • Ana Cristina Afonso Ferreira

    De modo geral, o filme é até que bom, agora esse romancezinho mequetrefe entre o Kili e a Tauriel, não me desceu até agora…

    Fiquei com a impressão de que os atributos dos elfos foram aumentados, com inspiração de outros autores… Por exemplo, a questão da cicatriz do Thranduil, eu pensei nos elfos de Alagaësia, do Eragon, que podem moldar a própria aparencia, e na cura da Tauriel, que eles sabem manipular plantas e magia para curas…

    Fiquei com a impressão de que o PJ usou a influencia de outras histórias pra construir esse filme…

  • kandrus

    Legal este filme com anões, magos, hobbits e que se passa na terra média. Agora é só esperar o lançamento do filme ” O Hobbit” para ver como vai ficar …

  • Juliana Dultra

    Só concordo com a parte dos anões em Erebor, no mais, toda vez que lia um “aff” a imagem de um adolescente poser me vinha á cabeça.

  • Mari

    Não sou contra adaptações e liberdades criativas por parte dos roteiristas.
    Mas o fato de ser uma adaptação não justifica os caras fazerem qualquer coisa.
    Existem boas adaptações e más adaptações. Neste caso, uma péssima adaptação.
    Como filme, é até um bom filme. Mas boa adaptação não é e ponto final.

  • Iago Paqui

    Sou a favor da liberdade criativa, mesmo sendo diferente, o filme não anula o livro. E eu o julgo por si mesmo, como um filme ótimo. Acho que a melhor descrição para os filmes de PJ seria “baseado na obra de Tolkien” e não adaptação, para que sejam feitos novos filmes, mais fiéis ou mais inovadores, é preciso combater a Tolkien State! Dou nota 10 para a Desolação de Smaug!

  • Tamy Ctba

    Eu gostei do filme , é claro , como fã nao poderia ser diferente , mas a alguns pontos que não gostei , separar os anoes foi um absurdo realmente , mas acredito que PJ tenha um proposito com isso , talvez a presença deles na cidade de Valle , quando Smaug chegar , tenha algum proposito maior . Quanto a Floresta das Trevas e Beorn , foi com certeza a maior falha , eu esperava muito mais , indiferente se vai conter mais cenas na opção estendida , nao foi dado o devido valor a essas partes , eu estava anciosa para estes dois momentos em especiais. Gostei da Tauriel e Legolas , mas foi dado muito foco neles , e gostei de Bart , a importancia que foi dado ao personagem e suas caracteristicas fisicas . O smaug estava perfeito , eu gostei de como as coisas aconteceram dentro da montanha , e a cane com Bilbo dinpensa elogios . Mas o filme ficou muito abaixo do que eu esperava , o fato é que PJ deixou a essencia da historia se perder , e priorizou outras coisas , o que importa é os ANÕES E BILBO , a retomada de Erebor , eu queria ter visto mais sobre a convivencia entre eles , as dificuldades que todo eles enfrentaram juntos na floresta , e outras coisas que ficaram a desejar . Enfim , apesar de tudo , continuo gostando do filme , mas confesso que estou decpcionada , mas não posso deixar de falar que , como sempre , Martin F. arrasou como Bilbo , ele nasceu pra ser o personagem , e Richard A. foi maravilhoso como Thorin , ele não poderia ser melhor , pra mim ficou perfeito no personagem….

  • Daniel Santos

    Antes de mais nada, parabenizo o post, muito pertinente do Eduardo… mas eu como fãn posso dizer certamente que estou indignado também com a transformação do conceito original de “O Hobbit” e de como o andamento do roteiro se concretizou durante o filme… Afinal foi um ano de espera para em caracterização de personagens (Beorn), introdução de personagens (Legolas e Tauriel) e principalmente a história do filme, serem muito decepcionantes, embora eu entenda que o livro não iria compor as telas, mas o filme ficou muito desnexo da espectativa mínima, diferentemente de “O Senhor dos Anéis” por exemplo que mesmo sendo mais difícil de adaptar, e com os cortes de roteiro que conhecemos ficou mesmo em filme mais “fiel”…
    Agora não podemos dizer que o trabalho ainda que fosse do próprio Tolkien, está livre de críticas a lá ” Ahh é de Tolkien (ou “baseado” em seu trabalho) ou de Peter Jackson, então eu gosto, sem duvída” já que cabeça é pra pensar…
    Concluo que espero numa versão estendida, melhor explicação de alguns fatos, muitos que foram citados acima, e outros tipo, Bilbo entra em Erebor, sem usar o Anel e depois de ter a chance, dada por Smaug, de colocá-lo, o tira… pqp, assim como outros que nunca terão explicação, como o “robo de ouro anão”, que nem cinematograficamente falando tem qualquer sentido…
    Embora ver Smaug, isso eu digo ficou visualmente excelente.

  • Leh Leandro

    O gigante de ouro me deu náuseas, foi a cena que estragou minha experiência com o filme. Tirando esta parte, gostei muito do que vi. Concordo com a parte do Beorn que foi muito rápida, mas discordo do confronto entre Gandalf e Sauron que eu achei épico.

  • Vitor Brandão

    Faltou a cena da chegada na casa do Beorn com o Gandalf contando as historias, faltou o Bombur se afogando e sendo enfeitiçado, faltou a cena das aranhas seguindo o Bilbo floresta adentro, ou seja, cenas que eu li já imaginando como seriam reproduzidas. Apesar disso, a nova historia ficou ótima, mas ficou evidente que o filme deu muito mais importancia aos elfos do que aos anões, que são salvos pelos elfos varias vezes. Obs: Smaug ficou tão foda que me arrepiei

    • Ana Cristina Afonso Ferreira

      Eu tbm achei que faltou várias coisas, mas acho que serão acrescentadas na versão estendida…

    • Rodrigo Werner

      Eu tive a mesma sensação quando vi, como os personagens principais são os anões, quiseram no filme, destacar os elfos e até em parte, o(s) humano(s).

    • Ana lIMA

      Eu fui para o cinema imaginando essa cena achei que seria muito engraçado só que infelizmente ..cortaram essa parte infelizmente acho que ficaria bem infantil a cena do filme lutando contra as aranhas dele catando a musica para chamar a atenção também seria bem infantil. esse livro e perfeito é divertido :D

  • Rafaelle Cristina

    Ainda estou indignada com o fato do Beorn usar um decote like a Sydney Magal. Eu realmente o imaginava como um daqueles Vikings ameaçadores. Mas olha só como ele ficou. No geral, o filme está muito bom. Mesmo. E aquele final ‘PÁ, cortei na melhor parte!!’ me deixou tremendo na cadeira. Que venha o ‘There and Back Again’!!! (Logo, de preferência)

  • Guilherme Braçalli

    Péssima análise …péssimo comentário .. Não fale mais nada por favor!

  • Eduardo Alexandre

    Eu respeito muito a sua opinião e desgosto(total, por sinal) com o filme, mas boa parte das suas observações são totalmente irrelevantes para se distinguir um filme ruim, razoável ou bom. Quantos dos milhares de filmes, alguns até considerados clássicos do cinema, deixaram parecer cenas ingênuas em suas execuções?? É só olhar no passado(inclusive uma famosa saga do anel que conhecemos bem) que veremos que mesmo com algumas ingenuidades, a qualidade desses filmes num contexto geral nunca foram questionadas, pois são exageros do cinema e isso existe desde sempre, seja Blockbuster ou não. Claro que existem erros e furos no roteiro e entre outros problemas que devemos sim frisar, mas lembre-se que o leitor lê a crítica esperando os PRÓS E CONTRAS do longa e não apenas os “desastres” da ingenuidade que assola a mente de Peter Jackson nesta trilogia.

    • Ana Chan

      Concordo, tá certo que fugiu um pouco do conceito, mas se pararmos pra analisar não só roteiro, de uma forma mais lógica até, partes em que pareciam absurdas para nós, podem ser aceitas de uma forma mais amigável. Eu tentei aproveitar cada parte do filme, e se pararmos pra ver assim, tem muitas coisas que passaram apenas de relance no livro que no filme foram mais destacadas, e claro, o Peter não fez o filme apenas para os fãs do Tolkien, ele fez para todos, para que qualquer um que assistisse gostasse (que pessoa não gosta de um triângulo amoroso por exemplo?). Foi uma boa jogada de Marketing dele. Mas também concordo que não ganharia um Oscar como O Senhor dos Anéis.

  • Leandro Santos

    Me desculpe, mas eu discordo da sua analise em partes. Foi uma ótima adaptação, em minha opinião. Ninguém pode negar, Peter Jackson é um gênio! A única coisa que eu poderia citar são as cenas na Floresta Negra, onde eu esperava algo mais escuro, sombrio. Mas fora isso, não há de reclamar: Os efeitos estavam dignos, as atuações ótimas, a fotografia nem se fala, as cenas de ação muito bem contextualizadas e o grandioso Smaug, que enche os olhos.

    • Magão

      Peter Jackson é um gênio…..parei por aí.

  • Guest

    Foi uma ótima adaptação, em minha opinião.

  • Bruno Augusto Borba Baggins

    Por que voce usa o ponto de interrogação invertdo?
    Gostei da parte que voce compara a luta de dumbledore e voldemorte com gandalf e sauron kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    tbm senti o mesmo quando vi essa cena rsrsrs
    ps: gostei da sua critica .

  • Henrique Porto

    Em primeiro lugar, se você quiser realmente achar o filme bom, dentro do clássico modelo blockbuster hollywoodiano, não leia NENHUMA obra do Tolkien. Peter Jackson (PJ) dividiu uma aventura de quase 300 páginas em 3 filmes (!) sendo que quando fez O Senhor dos Anéis (SdA) usou o mesmo tanto de filmes para contar uma aventura de…1200 páginas! Assim, nós (ingênuos fãs) pensamos “oh, ele deve contar a história com uma grande riqueza de detalhes” NÃO! Não podíamos estar mais enganados. Ao invés disso, PJ usou grande parte de seus filmes para…inventar parte (que não é pequena) da trama. Assim, ele criou “historinhas”, como o (estúpido) romance entre Tauriel e Kili ou a flecha de Mordor acertando Kili (para dar pano para a narrativa do romancesinho se desenvolver). Se fosse só isso até estaria bom, mas PJ QUEBRA A COMPANHIA NO MEIO!!! Sendo que metade dos anões não vão para a Montanha Solitária. O que é isso? é quase um assassinato da história. Depois há aquela luta entre Smaug e os Anões (metade deles…arg!) dentro da montanha…parece que PJ não leu o Livro, honestamente.
    Há Inúmeros outros exemplos de pseudo-histórias que são criadas do nada para o nada e que nada fazem se não desviar a narrativa para becos se saída onde é preciso cortar partes da narrativa principal para que se encaixe nas ridículas historinhas.
    Como se não bastasse criar um novo papel para Azog, como um caçador dos anões pois, segundo PJ, “precisávamos de um vilão mais concreto”, é inventado outro “Orc maligno e ‘imortal’” para seguir a companhia, invadir o reino dos elfos e a cidade do lago (que parece não ter absolutamente nenhuma guarda para deixar 30 orcs grandes e barulhentos entrarem na cidade DESPERCEBIDOS), eu me pergunto o motivo de Thorin ter pago Bard para entrar na cidade…. Falando em Bard, aquele “Bard” não é o Bard. Aquilo é uma espécie de impostor em uma cidade onde eles tentaram fazer referência ao absolutismo francês e cometeram tanta imprecisão com relação a obra do Tolkien que dá quase vontade de chorar.
    Ah, quase me esqueci, aquilo não é um arco, PJ, aquilo é uma balista (a que Bard usará para matar o Dragão). Me permito citar a página 243, segundo parágrafo do livro ” O grande ARCO zuniu. A flecha negra voou da corda…”.
    Concluo (esquecendo de muitas cenas em que gafes, erros, e quase crimes contra a obra de Tolkien foram cometidos), dizendo que o filme é quase um atentado contra a vida do pobre Christopher Tolkien e sem sobra de dúvidas, não é um filme sobre o aclamado livro “O Hobbit” de J.R.R.Tolkien. No final, o título deveria ser “O Hobbit A Desolação de Tolkien”.

  • Anselmo da Silva

    Legolas não viu os orcs se aproximando pq estava em seu quarto chorando por Tauriel kkkkkkkkkkkkk