Saiba mais sobre O Hobbit, Senhor dos Anéis…

G.R.R.Martin: “Espero nunca ver um Sauron, contra ataca”

George RR Martin

G.R.R.Martin, autor da série de livros As Crônicas de Gelo e Fogo (também chamada Game of Thrones) é declaradamente um fã de J.R.R.Tolkien. Tinha o costume de ler os livros do professor quando era criança e continuou a fazer isso quando pretendeu escrever sua série de livros.

Martin admite a influência de Tolkien e reconhece sua importância como escritor de fantasia. Em várias entrevistas, muitas vezes mesmo sem ser perguntado a respeito, Martin insiste em usar Tolkien como exemplo comparativo ou exemplos de situações. (veja um artigo sobre G.R.R.Martin e sua relação com Tolkien AQUI).

Em visita a Austrália na semana passada, (11-11-2013) durante uma entrevista ao The Sidney Morning Herald utilizou mais uma vez Tolkien para apresentar seus argumentos.

Nessa entrevista Martin é questionado se ele deixaria alguém continuar suas histórias, ou escrever algo ambientado no seu mundo e a resposta foi negativa. Da mesma forma que Tolkien não permitiu e era totalmente contrário a outra pessoa escrever em seu mundo.

Mas o que chamou a atenção foi o fato de se apresentar favorável as atitudes de Christopher Tolkien como protetor dos direitos autorais de seu pai.

G.R.R.Martin disse na entrevista quanto a continuações por outros autores de sua obra: “Não enquanto eu estiver vivo. Mas eventualmente eu nem sempre estarei vivo, porque Valar Morghulis – todo homem deve morrer. Eu acho que minha esposa, se ela continuar viva depois de mim, não iria permitir isso também. Mas uma coisa que a história nos mostra é que eventualmente esses direitos literários passam para os netos ou descendentes colaterais, ou pessoas que normalmente não conhecem o autor e não importa com os seus desejos. É apenas uma vaquinha de dinheiro. E assim nós temos abominações, que eu penso como o caso de Scarlett, a sequencia de Gone with the Wind”.

O caso do livro Scarlett é um exemplo claro dessa situação complicada de outros autores pretenderem continuar as obras de outros mais famosos. O livro Gone with the Wind de Margaret Mitchell foi sucesso literário, mas sua escritora faleceu e deixou os direitos com seus familiares. Mas então a editora teve autorização para publicar uma continuação do livro, chamado Scarlett. Usando o fato de ser autorizada pela família da autora o livro vendeu muitos exemplares, mas recebeu muitas críticas dos leitores. Após esse livro a editora responsável procurou outro escritor para uma nova “continuação” do livro de Mitchell. E foi publicado o livro  Rhett Butler’s People. É um típico exemplo de ‘vaquinha de dinheiro’

Continuando o seu argumento Martin diz que: “Eu odeio ver isso na verdade. Eu sempre admirei [J.R.R.] Tolkien e sua imensa influência na fantasia. [e] embora eu nunca tenha encontrado o homem, Eu admiro Christopher Tolkien, seu filho, que tem sido o guardão do espólio de Tolkien que nunca permitira isso. Eu estou certo que os editores estão esperando ansiosamente com sacos gigantes de dinheiro por alguém que diga ‘sim, vá em frente, vamos escrever Sauron contra ataca [Sauron Strikes Back]’. Espero nunca ver um Sauron contra ataca escrito por um terceiro autor que pulou nessa oportunidade”.

Sauron Strikes Back, ao que parece é uma singela critica ao comercialismo escancarado da franquia de Star Wars, em que se produzem e se exploram com fim de lucro todos os tipos de continuações, jogos, Hqs e agora novos filmes pela disney, sem um rigor do autor das histórias.

Christopher Tolkien é o atual líder da Tolkien Estate, o grupo de familiares e descendentes de  J.R.R.Tolkien que possuem os direitos autorais. Christopher Tolkien após a morte de seu pai editou e comentou a maioria das obras publicadas postumamente, em especial o Silmarillion, Contos Inacabados, Filhos de Húrin e os doze volumes da série History of Middle Earth.

clique para ampliar

Christopher Tolkien

Christopher Tolkien tem defendido com uma atitude firme os direitos autorais de seu pai. De fato, já recebeu vários tipos de propostas desde continuações do Senhor dos Anéis (milhares), até histórias paralelas no mesmo universo. O número de pedidos é tão grande que a Tolkien Estate colocou no seu site oficial uma resposta sobre outros autores que pretendem escrever no universo de Tolkien:

Eu posso (ou alguém mais) pode escrever, completar, ou desenvolver minha própria versão de um desses contos inacabados? (ou outras pessoas)

A resposta é um simples NÃO.  Claro que você é livre para fazer  o que você gosta para o seu divertimento privado, mas não há questão para qualquer exploração comercial dessa forma de “fan-fiction”. Também, nesses dias de internet, e produtores privados de itens colecionáveis a venda no eBay, nós devemos deixar claro que a Tolkien Estate não apoiou e nunca autorizará a comercialização ou distribuição de qualquer trabalho desse tipo. A Estate existe para defender a integridade dos escritos de J.R.R.Tolkien. O trabalho de Christopher Tolkien como o executivo literário de seu pai tem sido sempre em publicar tão fielmente e honestamente quanto possível os trabalhos completos ou incompletos de seu pai, sem adaptação ou embelezamento.

 

Já existem vários textos de outros autores que tentam dar uma continuação do Senhor dos Anéis. Mas a Tolkien Estate não os apoia e por isso, são textos considerados “fan-fiction” (quando não publicados com objetivo de lucro), mas quando publicados comercialmente são considerados ilegais, por não terem o apoio dos detentores dos direitos autorais.

Dois casos chamam a atenção nesse sentido. Primeiramente o caso do livro brasileiro (do tipo de coisas que só vemos no Brasil mesmo), que tem pretensão de continuar O Senhor dos Anéis. É o livro “Indo além do Senhor dos Anéis e continuando até o fim” do autor Paulo Henrique Rabello Nascimento. Nessa “continuação” do Senhor dos anéis é narrado as aventuras de Frodo após embarcar com Gandalf rumo ao oeste. Outro caso é o livro “O Último Anel”, escrito pelo russo Kirill Eskov, que narra a história da Terra Média sob um ponto de vista dos vilões.

A posição conservadora do filho de Tolkien se expressa ainda com relação aos filmes de Peter Jackson. Em entrevista publicada no ano passado, Christopher Tolkien disse que não gostou dos filmes do diretor neozelandês e não pretende vender os direitos do Silmarillion para uma adaptação no cinema. Para a tristeza de muitos fãs. (Veja mais a respeito AQUI ).

Mas colocando de lado os pensamentos dos herdeiros de Tolkien. O que o próprio professor pensa a respeito de uma continuação de sua obra?

De fato, o professor Tolkien tentou continuar o Senhor dos Anéis, chegando a escrever parte do primeiro capítulo de uma possível continuação, chamado “The New Shadow” (A Nova Sombra – publicado na séride The history of middle earth). Mas vendo que a história não se desenvolveria de uma forma interessante acabou abandonando o projeto.

Várias vezes Tolkien recebia cartas de fãs querendo ‘continuar’ O Senhor dos Anéis. E evidentemente ele se sentia muito desconfortável com a situação, a ponto de ficar com raiva, conforme pode ser visto em uma carta escrita em 1966:

“Não sei qual é a posição legal; uma vez que não é possível reivindicar a propriedade na invenção de nomes próprios, suponho que não haja obstáculo legal para este jovem asno publicar sua continuação caso pudesse encontrar algum editor, respeitável ou mal-afamado, que aceitasse tal bobagem. Simplesmente o informei que havia remetido sua carta e as amostras para a senhorita. Creio que uma carta adequada da Allen & Unwin possa ser mais efetiva do que uma minha. Certa vez recebi uma proposta similar de uma moça, expressada nos termos mais obsequiosos e, quando respondi em negativa, recebi uma carta deveras injuriosa”.

Enfim, é impossível alguém conseguir chegar a maestria do professor Tolkien, simplesmente porque não há possibilidade existir outro Tolkien no mundo. Bons escritores podem existir (alguns até sendo comparados com Tolkien), evidentemente, mas nunca um segundo Tolkien pois ele é único como pessoa e como escritor da maior história de fantasia.

facebooktwittergoogle_plusredditby feather
  • FOLGORE VALENTE

    vão me desculpar mas tolkien não é melhor do george martin.

  • Thiago Henrique

    Cara Nunca vou saber oque aconteceu de verdade com os dois magos azuis ‘-‘
    Queria tanto saber de suas jornadas pelo Leste….

  • Lrg

    Assim como Martin,também nunca espero ver um “Sauron contra ataca”.

  • Hudson Luz

    É lamentável que Tolkien tenha falecido, pois mesmo os autores mais afamados não poderiam continuar sua obra. O único que poderia relatar os eventos sem sombra de dúvida foi Tolkien, mas também gostaria que houvesse continuação não em histórias inventadas em cima de histórias terminadas, mas que fossem continuadas histórias como “A Queda de Gondolin” (fiquei muito puto quando a história acabou), ou então uma narrativa a respeito da Última Batalha, profetizada por Mandos, onde Morgoth sairia do Vazio, e Mandos libertaria, por bem ou mal, todos dos palácios para a guerra e no fim seria conhecido o segredo das Silmarils. Triste, muito triste, queria que isso fosse relatado. Mas enfim, é essa a minha opinião.