Saiba mais sobre O Hobbit, Senhor dos Anéis…

As praias da Cornualha e as influências no legendarium de Tolkien

by Eduardo Stark

 

A viagem de Tolkien para a Cornualha


Em agosto de 1914, o padre Francis Vincent Reade, do Oratório de Birmingham, decidiu viajar até a casa de sua mãe, uma senhora agora de idade avançada. Ela residia na Cornualha, na península de Lizard, no leste da Inglaterra.

Tendo em vista que Tolkien era o protegido do Padre Francis Morgan, que atuava no mesmo oratório que Reade, e assim tinha boas relações com todos daquela paróquia, foi decidido que o jovem poderia ir na mesma viagem e aproveitar as férias perto do mar.

Ao chegar na Cornualha a empolgação foi instantânea. Todos os dias, Tolkien e o padre Vincent Reade, realizavam longas caminhadas em que conversavam sobre vários temas. Desde questões religiosas até sobre as lendas populares da região. O padre era professor de educação religiosa e literatura inglesa na St. Philip’s Grammar School. O que implicava em verdadeiras aulas e emocionantes relatos sobre aquela região.

A própria descrição de Tolkien do local soa como algo poético na mente dele. O animo fica bastante evidenciado na carta que escreveu para sua amada Edith Brath, cujo trecho foi reproduzido na biografia escrita por Humphrey Carpenter:

Andamos pelas charnecas no topo dos penhascos até a enseada de Kynance. Nada do que eu possa dizer numa simples carta poderia descrevê-la. O sol brilha sobre nós, as águas do Atlântico erguem-se numa onda gigantesca, que se despedaça e jorra sobre as rochas e os recifes. O mar escavou nos penhascos bizarras gretas e gárgulas, onde o vento soa como trombetas e a espuma se arroja como do dorso de uma baleia; e em toda parte vemos rochas negras e vermelhas, e a espuma branca contra o violeta e o verde-mar translúcido.(CARPENTER, biografia, 1992, p. )[1]

Um dia Tolkien e o padre Vincent foram explorar os vilarejos que ficam nas proximidades, além do promontório Lizard. Sobre esta expedição o padre Vincent Reade registrou:

Nossa caminhada para casa, após o chá, teve início através de um rústico cenário ‘de Warwickshire’; descemos até as margens do rio Helford (quase como um fiorde), e depois subimos veredas ‘de Devonshire’ até a margem oposta, quando passamos então a um terreno mais aberto, onde o caminho se torcia e retorcia, subia e descia, até que a penumbra foi chegando e o sol vermelho começou a se pôr. Daí, após aventuras e reconsiderações de rota, saímos nas áridas e nuas colinas ‘Goonhilly’, e atravessamos um trecho reto de seis quilômetros e meio, com relva para nossos pés doloridos. Fomos então surpreendidos pela noite nas vizinhanças de Ruan Minor, e voltamos a encontrar ladeiras e caminhos serpeantes. A luz tornou-se muito ‘lúgubre’. Às vezes mergulhávamos num cinturão de árvores, e as corujas e os morcegos nos davam arrepios; às vezes, um cavalo asmático detrás de uma sebe ou um velho porco com insônia faziam nossos corações dar pulos; ou, às vezes, o pior que acontecia era nos enfiarmos dentro de um riacho inesperado. Até que os vinte e dois quilômetros chegaram ao fim – os três últimos animados pelo clarão majestoso do farol de Lizard e pelo som do mar, cada vez mais próximo. (CARPENTER, biografia, 1992, p. )[2]

A região de Kynance é até hoje um ponto turístico por sua beleza singular. Os montes que se formaram e a coloração da água marítima em verde translúcido, refletindo a luz solar faz o local ficar ainda mais belo.

A viagem de Tolkien a Cornualha foi marcante em sua vida. Conforme afirma Humphrey Carpenter “Tolkien nunca esqueceu essa visão do mar e da costa da Cornualha, que se tornou uma paisagem ideal na sua mente” (CARPENTER, 1992, p. ).

É por isso que seu encantamento pelo lugar é demonstrado em suas produções literária e artística. As lendas e histórias que colheu naquelas férias, aliado ao encantamento do lugar trouxeram um misto de ideias que culminaria com seus primeiros escritos sobre o legendarium.

Durante as férias de 1914, Tolkien fez duas ilustrações “Cadgwith, Cornwall, Caer-thilian Cove & Lion Rock” (ver acima) e ”Cove near the Lizard” (ver abaixo), que foram publicadas no livro “J.R.R. Tolkien: Artist and Ilustrator”, de autoria de Wayne G. Hammond e sua esposa Christina Scull.

O ato de ter feito ilustrações do local mostra o quanto Tolkien havia gostado do lugar e, tendo em vista não dispor de uma máquina fotográfica (naquela época um objeto ainda muito caro) registrou o local da melhor forma realista. As ilustrações ficaram guardadas desde então. Embora o mesmo caderno de desenhos tenha sido utilizado para outras ilustrações posteriormente.

Inspirado pelas lendas da Cornualha e pelas palavras de Cynewulf, no mês seguinte, em 24 de setembro de 1914, Tolkien escreve o que seria o primeiro poema relacionado ao seu legendarium “A Viagem de Earendel, a Estrela Vespertina”, que trata da viagem de um marinheiro para terras desconhecidas. E os seus poemas seguintes vão estar associados sempre a ideia de viagens marítimas.

As investigações de Tolkien sobre viagens marítimas relacionadas a lendas antigas o levaram a conhecer a lenda de São Brandão. O monge marinheiro que viajando rumo ao norte e depois oeste acaba encontrando uma ilha fantástica. Esse mesmo santo da Igreja Católica e Anglicana é considerado um dos principais relacionados a região da Cornualha, conforme está catalogado no livro The Saints of Cornwall (Os Santos da Cornualha) de Nicholas Orme (ver. p.73). Além disso, interessante notar que o Santo Meriadoc, é muito reverenciado na Cornualha, talvez seja uma das fontes para o nome ao personagem hobbit Meriadoc Brandebuque.

Em 4 de dezembro de 1914, Tolkien reescreveu seu poema “The Grimness of the Sea” (A severidade do Mar), dando um novo título “The Tides” (As Marés). No manuscrito ele escreveu “On the Cornish Coast” (Sobre a Costa da Cornualha). Prosseguindo com esse mesmo poema no mês seguinte, janeiro de 1915, novamente o renomeou dando o título de “Sea-Chant of an Elder Day”, que depois de alguns anos passou a ser parte do seu legendarium com o título “The Horns of Ylmir”.

Em 1921, um jovem irlandês chamado C.S. Lewis visitou a região da Cornualha, passando um fim de semana no castelo Tintagel, ficando fascinado com sua relação com as lendas arturianas. Anos mais tarde Lewis se tornou amigo pessoal de Tolkien e juntos formaram o grupo Inklings. Certamente as conexões das lendas arturianas e a Cornualha devem ter sido assunto em conversas longas com amigos, fumo e bebidas.

Foi dentro desse ciclo de amizades, que certa vez Lewis e Tolkien convencionaram escrever histórias. Aquele escreveria sobre viagens espaciais e este sobre viagens no tempo. Foi assim que surgiram as histórias da Trilogia Cósmica de C.S. Lewis e as histórias inacabadas de The Notion Club Papers de J.R.R. Tolkien, escrita por volta de 1945, em que alguns dos personagens tinham relações com a Cornualha.

A família Tolkien realizou diversas viagens nas férias. Em 1927 e 1928 foram para Lyme Regis em Dorset, junto com o Padre Francis Morgan. Em 1931 passaram as férias na primavera em Milford-on-sea, onde o padrinho de Michael, o Padre Gus Mery morava.

Tolkien visitou mais de uma vez a região da Cornualha. Em 1932 passou as férias em Lamorna na Cornualha, junto com seu amigo C.L.Wreen. Lá eles disputaram natação e fumaram cachimbos. Foi nessa oportunidade que apeldou um sujeito de Gaffer Gamgee, nomes que seriam anos depois utilizados em seus personagens de O Senhor dos Anéis. Conforme está escrito na biografia:

As férias da família na enseada de Lamorna, na Cornualha, em 1932, com Charles Wrenn, a esposa e a filha, quando Wrenn e Tolkien competiram nadando com chapéus panamá e cachimbos acesos. Foi sobre estas férias que Tolkien escreveu mais tarde: “Havia um sujeito esquisito do lugar, um velho que andava por lá mexericando, falando sobre o tempo e coisas assim. Para divertir meus garotos chamei-o Gaffer Gamgee (Vovô Gamgee) e tornou-se costume da família usar o nome para designar velhinhos desse tipo. Escolhi Gamgee principalmente por causa da aliteração, mas não inventei o nome. (CARPENTER, biografia, 1992, p.) [3]

Foram momentos de intensa alegria. A família estava bem, seus filhos ainda crianças brincavam e se divertiam no mar. Isso faz com que mais uma vez as praias da Cornualha fossem o reflexo de boa memórias para Tolkien. Ao que parece isso teve reflexos em suas obras.

Priscilla, Christopher e J.R.R. Tolkien em 1932

No livro The Tolkien Family Album, de autoria dos filhos de Tolkien, John e Priscilla, eles relatam como foi essa viagem a Cornualha: “Foi um feriado delicioso e despreocupado, com caminhadas até o fim da terra, banhando na enseada e um completo o isolamento do mundo exterior ” (p.62)

A escolha do nome de Gamgee e a região da Cornualha se torna ainda mais profunda quando há a despedida do Frodo nos Portos Cinzentos, em O Senhor dos Anéis, O Retorno do Rei:

Mas para Sam, que permanecera no Porto, a noite se aprofundou na escuridão; e enquanto contemplava o mar cinzento ele via apenas uma sombra sobre as águas, que logo se perdeu no oeste. Sam continuou ali ainda um bom tempo, ouvindo apenas o suspiro e o murmúrio das ondas nas praias da Terra-média, e o som delas penetrava fundo em seu coração. (O Senhor dos Anéis, O Retorno do Rei).

Tal como Sam Gamgee, Tolkien manteve na memória e em seu coração o som das marés da cornualha. A ponto de gerarem suas primeiras histórias de viagens marítimas. Além disso, a distãncia do Condado até os Portos Cinzentos equivale a praticamente o mesmo tanto de milhas de Oxford até a Cornualha.

É interessante analisar as palavras “Grey Havens” (Portos Cinzentos). Em inglês “Haven” pode ser traduzido como “porto”, mas também pode ser algo como “Refúgio”, “abrigo”, “firmamento”. A ideia de local para refugiados parece estar presente nas obras de Tolkien. Nas histórias de O Silmarillion, muitos dos elfos que sobreviveram a destruição de Beleriand, especialmente os Noldor, se mudaram para Lindon[4] (região onde ficava os portos) no início da Segunda Era, onde foram governados por Gil-galad.

A palavra “Haven” tem origem do Médio Inglês “Haven” (firmamento, terra) em relação com “Heven” (céu, paraíso) na mesma língua. Existe, portanto, uma relação das palavras. Além disso, era bastante comum nas praias da Cornualha um tipo de granito acinzentado, que por ser típico daquela região foi apelidado de “granito da cornualha”. Talvez essa tenha sido uma inspiração para os Portos Cinzentos.

Quando Edith Tolkien faleceu em 29 de novembro de 1971, seu marido se preocupou com a lápide e pediu que fosse feita justamente do material granito da Cornualha. Para que sempre que fosse ao local se lembrasse dos bons momentos que passaram naquelas praias. No túmulo logo abaixo do nome de Edith está o apelido “Lúthien”. Posteriormente, Tolkien faleceu em 1973 e foi enterrado no mesmo túmulo e logo abaixo do seu nome está escrito “Beren”, um personagem protagonista de seu Silmarillion.

 

Túmulo de J.R.R. Tolkien e Edith Tolkien

O folclore e lendas Arturianas da Cornualha

O local não é apenas belo, mas apresenta também uma cultura muito antiga, com diversas lendas e mitos. Muitas delas contadas pelos marinheiros que ali passavam. A biografia de Tolkien escrita por Leslie Ellen Jones apresenta um comentário sobre o lugar, relacionando com as histórias e cultura local:

Lizard é a localização do Land’s End, o ponto mais ocidental da Grã-Bretanha continental. Uma viagem de marinheiro a oeste desta ponta não chegaria a terra até se aproximar da América do Norte. A Cornualha também é uma das áreas celtas da Grã-Bretanha, embora ‘Cornish’, outra linguagem intimamente relacionada com o galês, quase deixou de ser falada desde o século XVIII. A Cornualha é rica em folclore de gigantes, sereias e numerosas “pessoas pequenas”, como os piskies, spriggans e Lyonesse, uma Atlântida britânica coberta pelo mar na época do rei Arthur. As Ilhas Scilly são consideradas os únicos restos da terra rica e bela, dos tipos de antigas montanhas que somente emergem das ondas. (JONES, p.38) [5]

No livro “An Unsentimental Journey through Cornwall” escrito por Dinah Maria Craik, mostra várias conexões entre a Cornualha e as lendas arturianas e célticas. Especialmente o cartelo de Tintagel é associado com as lendas Arturianas. Inicialmente por Welshman Geoffrey de Monmouth em seu livro Historia Regum Britanniae (“A História dos Reis da Bretanha”), escrito por volta de 1135, onde narra as histórias dos Reis da Bretanha da sua fundação pelo troiano Brutus até a chegada dos Anglo-saxões, incluindo os feitos do Rei Artur e as profecias de Merlin.

Conforme a lenda narrada por Geoffrey, o pai de Artur era Uther Pendragon, rei de toda a Bretanha. Ele travou batalhas contra Gorlois, o Duque da Cornualha, que tinha uma esposa chamada Igraine. Ela foi enviada para o castelo de Tintagel para se proteger. Uther havia se apaixonado por Igraine e decidiu invadir o castelo. Mas parecia ser impossível de invadir, pois estava cercado por águas. Foi então que o mago Merlin apareceu e com sua magia disfarçou Uther, que conseguiu entrar no castelo e segundo Geoffrey “naquela noite foi concebido o mais famoso dos homens: Artur”. Gorlois morreu e deixou Igraine viúva com sua filha Morgana, a fada.

Além de ser considerada a região que gerou o Rei Artur, existe também a lenda das terras de Lionesse (também escrito como Lyonesse, Lennoys, Leonais). Segundo a lenda era uma terra que foi tomada pelo mar, que estava situada entre a Cornualha e as ilhas Scilly. O nome dessa terra aparece nas lendas arturianas a partir do livro Le Morte Darthur de Sir Thomas Malory, como sendo a terra nativa do herói Tristão. A ilha é mencionada mais de uma vez nas história escritas por Tolkien de Aelfwine e The Notion Club Papers.

O estudo das lendas do Rei Artur foi sempre constante na vida de Tolkien. Com seus trabalhos em relação ao manuscrito de “Sir Gawain e o Cavaleiro Verde” e com seus próprios escritos da morte de Artur, que posteriormente foi publicado por seu filho Christopher Tolkien, no livro “A Queda de Artur”.

No livro “Popular romances of the west of England; or, The drolls, traditions, and superstitions of old Cornwall” escrito por Robert Hunt, traz mais detalhes sobre as lendas que eram contadas e relacionadas a região da Cornualha. Ele expõe anotações de escritores e depoimentos de moradores da região.

 

Portos Cinzentos de Alan Lee

 

O Padre Francis Vincent Reade (1874-1958)

Pouco se sabe sobre a vida do Padre Francis Vincent Reade. Porém pode-se extrair um breve relato sobre sua vida em um artigo que foi publicado no “Oratory Parish Magazine” no início de 2007 (“Francis Vincent Reade”, pp. 2-3; nº 1 da série “Pais do Oratório de Birmingham”). Que foi então reproduzido por Christina Scull e Wayne Hammond em sua página especial de “Addenda and Corriegenda”

Padre Francis Vincent Reade (1874-1958) era um homem de pequena estatura, conhecido como “Padre Vincent” para evitar a confusão com o padre Francis (Morgan). Era um costume do Oratório que nenhum dos membros da comunidade tivesse o mesmo nome. O padre Vincent entrou no Pembroke College, em Cambridge, em 1894, ganhou o seu B.A. (Teologia Tripos de segunda classe) em 1897, quando passou a frequentar a faculdade Teológica Ely e foi condecorado com um M.A. em 1903. Embora ele tenha se tornado sacerdote da Igreja da Inglaterra em 1899, em 1904 se converteu ao catolicismo romano e estudou em Roma para a ordenação.

Vincent Reade entrou no noviciado do Oratório de Birmingham em 1906 e foi ordenado sucessivamente Diácono e Padre em 1908. Seu principal trabalho no Oratório foi de professor de educação religiosa e literatura inglesa na St. Philip’s Grammar School e atuou como diretor de 1910 a 1937. De 1932 a 1947 foi Supervisor do Oratório.[6]

Christopher Tolkien lembra que o padre Vincent Reade visitou seu pai em Oxford pouco antes da Segunda Guerra Mundial e descreveu o maltrato de judeus na Alemanha, que havia visitado recentemente. (HAMMOND. Readers, p.774)

Entre suas poucas publicações, Vincent Reade escreveu o capítulo ‘The Sentimental Myth’ no John Henry Newman: Centenary Essays (ed. Henry Tristram, 1945), e também escreveu “The Spirituality of Cardinal Newman” no livro “Homage to Newman, 1845-1945: a collection of essays to make the cardinal more widely known and more greatly loved in the centenary year of his conversion by Wheeler” pela editora Gordon, em 1945.

Um retrato do padre Vincent Reade, do artista de Birmingham B. Fleetwood-Walker, feito em 1948, é reproduzido abaixo:

Padre Vincent Reade

Membros da família de Vincent Reade no Brasil

 

A Família de Padre Francis Vincent Reade era cheia de soldados e marinheiros a serviço da coroa britânica. Inicialmente se destaca o seu antepassado William Barrington Reade da casa Ipsden. Ele foi um importante soldado e marinheiro a serviço da coroa britânica que realizou expedições nas Índias e na África. Recebendo diversas honrarias e títulos por seus serviços prestados.

A família Reade não se destaca apenas por seus serviços militares. Mas também por intelectuais que escreveram livros como irmão mais novo de William Barrington Read chamado Charles Reade (1814-1884). Charles foi um escritor, novelista e jornalista que escreveu o livro The Cloister and the Hearth (1861) e também foi escritor William Winwood Read, sobrinho de Charles Reade.

Interessante também notar a conexão com o Brasil. Um dos descendentes de William Barrington Reade seguiu a carreira do antepassado na marinha britânica, e acabou morando no Brasil. Charles Vincent Reade (24 de Julho de 1887- ?), filho de Vincent Reade e Mary Louisa, foi batizado em 1 de fevereiro de 1888 na igreja St. Mary, no distrito de Walton em Hill, Liverpool[7]. Ele foi um marinheiro respeitado e com alta posição. Passou a residir no Maranhão, onde se casou com Elzira Reade com quem teve filhos: Charles Vincent Reade Junior, Elsie Nealon, Sifney Vincent Reade. Abaixo uma foto de Charles Vincent Reade:

Charles Vincent Reade

Na lista para receber o título de Commander of the Order of the British Empire (CBE) em 1967, pela Rainha Elisabeth II[8] consta o nome “Charles Vincent Reade, DFC[9], British Subject resident in Brazil”, na categoria “Diplomatic Service and Overseas List”. Trata-se de Charles Vincent Reade Junior, que nasceu em São Luis, no Maranhão em 20 de fevereiro de 1914 e faleceu em 19 julho de 1990 no Rio de Janeiro. Charles Reade gerou Nicholas Vincent Reade, graduado na Universidade de Cambridge e atual empresário líder da Brookfield Incorporações S.A.

BIBLIOGRAFIA UTILIZADA:

Baptisms at St Mary in the District of Walton on the Hill, Liverpool . Disponível em: “http://www.lan-opc.org.uk/Liverpool/Walton/stmary/baptisms_1887-1888.html”. Acessado em: 22 de junho de 2017.

CARPENTER. Humphrey, J.R.R. Tolkien, uma biografia, Martins Fontes, 1992.

CRAIK, Dinah Maria. An Unsentimental Journey through Cornwall. Il: C. Napier

Hemy, Macmillan And Co, Londres, 1884.

GARTH, John.Tolkien and the Great War.HarperCollins, Londres, 2002.

Hammond Wayne G. SCULL, Christina, J.R.R. Tolkien Companion and GuideReader’s Guide, HarperCollins, Londres, 2006.

______________________________,J.R.R. Tolkien Companion and GuideChronology, HarperCollins, Londres, 2006.

______________________________J.R.R. Tolkien: Artist and Illustrator. HarperCollins, London, 1995.

_______________________________Addenda and Corrigenda to The J.R.R. Tolkien Companion and Guide (2006), Vol. 1: Chronology. Disponível em: “http://www.hammondandscull.com/addenda/chronology_by_date.html”. Acessado em: 24 de junho de 2017.

HUNT, Robert. Popular romances of the west of England; or, The drolls, traditions, and superstitions of old Cornwall. Chato e Windus, Londres, 1908.

JONES, Leslie Ellen. J.R.R. Tolkien: A Biography. Greenwood Press, Londres,2003.

ORME, Nicholas. The Saints of Cornwall. Oxford University Press, Oxford, 2000.

TOLKIEN.J.R.R. O Senhor dos Anéis, O Retorno do Rei. Ed. Martins Fontes. São Paulo, 1994.

TOLKIEN, John e Priscilla. The Tolkien Family Album. HarperCollins, 1992.

——————-

NOTAS:

[1]  ‘We walked over the moor-land on top of the cliffs to Kynance Cove. Nothing I could say in a dull old letter would describe it to you. The sun beats down on you and a huge Atlantic swell smashes and spouts over the snags and reefs. The sea has carved weird wind-holes and spouts into the cliffs which blow with trumpety noises or spout foam like a whale, and everywhere you see black and red rock and white foam against violet and transparent seagreen.’

[2]  ‘Our walk home after tea started through rustic “Warwickshire” scenery, dropped down to the banks of the Helford river (almost like a fjord), and then climbed through “Devonshire” lanes up to the opposite bank, and then got into more open country, where it twisted and wiggled and wobbled and upped and downed until dusk was already coming on and the red sun just dropping. Then after adventures and redirections we came out on the bleak bare “Goonhilly” downs and had a four mile straight piece with turf for our sore feet. Then we got benighted in the neighbourhood of Ruan Minor, and got into the dips and waggles again. The light got very “eerie”. Sometimes we plunged into a belt of trees, and owls and bats made you creep: sometimes a horse with asthma behind a hedge or an old pig with insomnia made your heart jump: or perhaps it was nothing worse than walking into an unexpected stream. The fourteen miles eventually drew to an end – and the last two miles were enlivened by the sweeping flash of the Lizard Lights and the sounds of the sea drawing nearer.’ CARPENTER, p.

[3] The family holiday at Lamorna Cove in Cornwall in 1932 with Charles Wrenn and his wife and daughter, when Wrenn and Tolkien held a swimming race wearing panama hats and smoking pipes while they swam. This was the holiday about which Tolkien later wrote: ‘There was a curious local character, an old man who used to go about swapping gossip and weather-wisdom and such like. To amuse my boys I named him Gaffer Gamgee, and the name became part of family lore to fix on old chaps of the kind. The choice of Gamgee was primarily directed by alliteration.

[4] Lindon em Quenya contém o element “lin-“ “canção, cantar” também presente em Lindar. Assim “Lindon” significa “terra da música”, uma associação com os elfos que tocavam música diante do mar ou os sons que o mar faz dando a ideia de se ouvir músicas vindas do Oeste. Talvez músicas vindas de Valinor, como sugere a passagem de despedida de Frodo nos Portos Cinzentos em O Senhor dos Anéis, O Retorno do Rei: “E o navio avançou para o Alto Mar e prosseguiu para o oeste, até que por fim, numa noite de chuva, Frodo sentiu uma doce fragrância no ar e ouviu o som de um canto chegando pela água. E então teve a mesma impressão que tivera no sonho na casa de Bombadil; a cortina cinzenta de chuva se transformou num cristal prateado e se afastou, e Frodo avistou praias brancas e atrás delas uma terra vasta e verde sob o sol que subia depressa” (O Senhor dos Anéis, O Retorno do Rei).

[5] Lizard is the location of Land’s End, the most westerly point of mainland Britain; a sailor setting due west from this port would not hit land until he reached North America. Cornwall is also one of the Celtic areas of Britain, although Cornish, another language closely related to Welsh, had almost ceased to be spoken since the eighteenth century. Cornwall is rich in folklore of giants, mermaids, and numerous “little peoples” such as piskies, spriggans, and Lyonesse, a British Atlantis overwhelmed by the sea during the time of King Arthur; the Scilly Islands are said to be the sole remains of the rich and beautiful land, the tips of former mountains that alone emerge from the waves. (JONES, p.38)

[6] A man of small stature, he was known as ‘Father Vincent’ to avoid confusion with Father Francis (Morgan): it was an Oratory custom that no two members of the community should have the same name. Father Vincent entered Pembroke College, Cambridge, in 1894, earned his B.A. (second-class Theology Tripos) in 1897, when he proceeded to attend Ely Theological College, and was awarded an M.A. in 1903. Although he had become a Priest of the Church of England in 1899, in 1904 he converted to Roman Catholicism and studied in Rome for ordination. He entered the noviciate of the Birmingham Oratory in 1906, and was ordained successively Deacon and Priest in 1908. His main work at the Oratory was as a teacher of religious education and English literature at St Philip’s Grammar School, and from 1910 to 1937 as Headmaster. From 1932 until 1947 he was Supervisor of the Oratory. (HAMMOND. In. Addenda and Corrigenda).

[7] Baptisms at St Mary in the District of Walton on the Hill, Liverpool.

[8]Announced in supplements to the London Gazette of 2 June 1967:“https://en.wikipedia.org/wiki/1967_Birthday_Honours”

[9] DFC – Distinguished Flying Cross: é uma condecoração militar da Real Força Aérea do Reino Unido e formalmente aos oficiais de outros países da Commonwealth, instituida por “um ato ou atos de valor, coragem ou devoção pelo dever cumprido em operação ativa de voo contra o inimigo”.

Facebooktwittergoogle_plusredditby feather

Sem comentários

Trackbacks/Pingbacks

  1. “Canção Marítima de um Tempo Antigo” de J.R.R. Tolkien - Tolkien Brasil | Tolkien Brasil - […] Para entender melhor esse artigo é interessante ler esse AQUI. […]

Deixar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: