Saiba mais sobre O Hobbit, Senhor dos Anéis…

J.R.R. Tolkien e C.S. Lewis  sobre Winston Churchill

O primeiro Ministro Winston Churchill

by Eduardo Stark

Não há dúvida que entre os ingleses e várias pessoas no mundo a figura de Winston Churchill é reverenciada como um grande nome do século XX. Em uma pesquisa feita pela BBC[1] em 2002, Winston Churchill foi eleito pelo voto popular como o maior britânico de todos os tempos (Darwin ficou na quarta posição e Shakespeare na quinta). Ele também é chamado de “o último grande homem do mundo ocidental” ou até mesmo de “o gigante do século”.

Mas nem tudo parece ser flores na biografia de Winston Churchill. Apesar dessa imensa admiração em relação a Churchill, existem ainda aqueles que apontam os seus possíveis erros. Ele tinha uma visão imperialista (em favor da dominação inglesa em suas colônias), além de ter uma visão considerada racista hoje (porém comum na sua época). Em 2010 o físico Madhusree Mukerjee escreveu o livro “Churchill’s Secret War: The British Empire and the Ravaging of India during World War” em que acusava Churchill de ter causado a morte de mais de 3 milhões de indianos de fome na Índia. Mas foi respondido pelo historiador Arthur Herman, que havia lançado em 2009 o livro “Gandhi and Churchill: The Epic Rivalry That Destroyed an Empire and Forged Our Age”, que por esse trabalho se notabilizou por ser finalista ao prêmio Pulitzer. Segundo Herman, o livro de Mukerjee carece de fontes documentais e de técnica própria dos historiadores.

Em 17 de maio de 2018, ocorreu o debate promovido pela Universidade de Oxford, onde em dois lados opostos vários estudiosos sobre Churchill discutiram. A monção do debate era “Os Britânicos devem sentir vergonha de Churchill?”. Esteve presente no debate Sir Nicholas Soames (neto de Winston Churchill) para defender seu parente.

Como todo político de longa data, sua vida está cheia de controvérsias e de atitudes também memoráveis. Mas na matemática entre suas ações o povo britânico reconhece nele uma grande figura. São muitos os documentários, séries programas de TV e filmes que Churchill faz aparições ou está como protagonista. Mais recentemente, em 2016 foi lançado o filme “Churchill’s Secret” com atuação principal de Sir Michael John Gambon (Albus Dumbledore na série Harry Potter). E em 2017 o renomado filme “Darkest Hour” com brilhante interpretação de Gary Oldman (Sirius Black na série Harry Potter), que foi premiado com um Oscar nessa atuação em 2018.

J.R.R. Tolkien e seu amigo C.S. Lewis viveram na mesma época em que Winston Churchill exerceu suas funções na política. E como cidadãos britânicos os escritores estavam sujeitos à atuação do Primeiro Ministro. No presente texto será analisado o que esses escritores de fantasia disseram sobre Churchill.

Winston Churchill e seus discursos em tempos de guerra

Sir Winston Leonard Spencer-Churchill nasceu em 30 de novembro de 1874 e faleceu em 24 de janeiro de 1965. Ele foi um político britânico a maior parte de sua vida, mas também trabalhou como oficial das forças armadas e escritor. Seu principal papel foi como Primeiro Ministro do Reino Unido entre 1940 a 145 e novamente entre os anos de 1951 a 1955. O período em que atuou como primeiro ministro foi mais tenebroso, pois ele liderou as forças contra a Alemanha Nazista durante a Segunda Guerra Mundial. Churchill participou do Partido Liberal, mas durante a guerra e até o fim de sua vida esteve vinculado ao Partido Conservador.

Em 1940 o mundo estava agitado pelo início da Segunda Guerra Mundial. Em 30 de abril, enquanto aguardava confiante uma vitória na Noruega, Hitler deu instruções para os preparativos finais ao ataque a Bélgica, Holanda, Luxemburgo e França. As tropas britânicas, despachadas para a França seis meses antes, aguardavam a investida alemã. O ataque alemão começou em 10 de maio. No Reino Unido, Winston Churchill substituiu Chamberlain como primeiro-ministro.

Desde o início de seus trabalhos como Primeiro Ministro, Winston Churchill proferiu discursos que foram registrados na história como admiráveis por seu poder nas palavras. Em 13 de maio de 1940, Churchill pronunciou o primeiro de seus grandes discurso no parlamento do Reino Unido:

Formar um Governo de tão vastas e complexas proporções é, já por si, um sério empreendimento, mas devo recordar ainda que estamos na fase preliminar duma das maiores batalhas da história, que fazemos frente ao inimigo em muitos pontos – na Noruega e na Holanda -, e que temos de estar preparados no Mediterrâneo, que a batalha aérea contínua e que temos de proceder nesta ilha a grande número de preparativos. Neste momento de crise, espero que me seja perdoado não falar hoje mais extensamente à Câmara. Confio em que os meus amigos, colegas e antigos colegas que são afetados pela reconstrução política se mostrem indulgentes para com a falta de cerimonial com que foi necessário atuar. Direi à Câmara o mesmo, que disse aos que entraram para este Governo: «Só tenho para oferecer sangue, sofrimento, lágrimas e suor». Temos perante nós uma dura provação. Temos perante nós muitos e longos meses de luta e sofrimento. Perguntam-me qual é a nossa política? Dir-lhes-ei; fazer a guerra no mar, na terra e no ar, com todo o nosso poder e com todas as forças que Deus possa dar-nos; fazer guerra a uma monstruosa tirania, que não tem precedente no sombrio e lamentável catálogo dos crimes humanos.-; essa a nossa política. Perguntam-me qual é o nosso objetivo? Posso responder com uma só palavra: Vitória – vitória a todo o custo, vitória a despeito de todo o terror, vitória por mais longo e difícil que possa ser o caminho que a ela nos conduz; porque sem a vitória não sobreviveremos. Compreendam bem: não sobreviverá o Império Britânico, não sobreviverá tudo o que o Império Britânico representa, não sobreviverá esse impulso que através  dos tempos tem conduzido o homem para mais altos destinos. Mas assumo a minha tarefa com entusiasmo e fé. Tenho a certeza de que a nossa causa não pode perecer entre os homens. Neste momento, sinto-me com direito a reclamar o auxílio de todos, e digo «Unamos as nossas forças e caminhemos juntos».[2]

A 4 de Junho de 1940, Winston Churchill proferiu, perante a Câmara dos Comuns, do Parlamento do Reino Unido, o famoso discurso “We Shall Fight on the Beaches” traduzido, em português, como “Lutaremos nas Praias“. O discurso foi feito logo após à evacuação das tropas britânicas de Dunkirk e antes da derrota final e rendição que aconteceria mais tarde nesse mês.

Eu próprio tenho plena confiança que se todos cumprirem seus deveres, se nada for negligenciado, e se as melhores providências forem tomadas, como está sendo feito, deveremos nos provar capazes mais uma vez de defender a nossa ilha natal, de superar a tempestade da guerra, e de sobreviver à ameaça de tirania, se necessário por anos, se necessário sozinhos. De qualquer maneira, isso é o que tentaremos fazer. Esta é a determinação do Governo de Sua Majestade – de cada homem dele. Esta é a vontade do Parlamento e da nação. O Império Britânico e a República Francesa, unidos em sua causa e em sua necessidade, defenderá até à morte seu solo nativo, auxiliando um ao outro como bons camaradas até o máximo de sua força.Muito embora grandes extensões da Europa e antigos e famosos Estados tenham caído ou possam cair nos punhos da Gestapo e de todo o odioso aparato do domínio nazista, nós não devemos enfraquecer ou fracassar. Iremos até ao fim. Lutaremos na França. Lutaremos nos mares e oceanos, lutaremos com confiança crescente e força crescente no ar, defenderemos nossa ilha, qualquer que seja o custo. Lutaremos nas praias, lutaremos nos terrenos de desembarque, lutaremos nos campos e nas ruas, lutaremos nas colinas; nunca nos renderemos, e se, o que eu não acredito nem por um momento, esta ilha, ou uma grande porção dela fosse subjugada e passasse fome, então nosso Império de além-mar, armado e guardado pela Frota Britânica, prosseguiria com a luta, até que, na boa hora de Deus, o Novo Mundo, com toda a sua força e poder, daria um passo em frente para o resgate e libertação do Velho.[3]

De fato, a Segunda Guerra Mundial foi um dos momentos mais dramáticos da história da humanidade. Se o Reino Unido caísse seria como se todo o mundo ocidental sofresse as consequências. Enquanto os britânicos se mantivessem como oposição ainda haveria resistência e esperança para os inimigos de Hitler. A situação não parecia fácil e somente alguém com uma boa capacidade de liderar poderia acalmar os ânimos e direcionar o povo. Foi assim que em outro memorável discurso de Churchill foram ditas as seguintes palavras:

Qualquer modo que andarem as coisas na França ou com o governo francês ou com outro governo francês, nós nesta ilha e no Império Britânico nunca perderemos nosso senso de camaradagem com o povo francês. Se somos agora chamados a suportar o que sofreram, emularemos sua coragem e, se a vitória final recompensar nossos esforços, eles compartilharão os ganhos, sim. E a liberdade será restaurada a todos. Não diminuímos nada de nossas justas exigências – tchecos, poloneses, noruegueses, holandeses, belgas, todos os que uniram suas causas aos nossos serão restaurados. O que o General Weygand chamou de Batalha da França acabou … a Batalha da Inglaterra está prestes a começar. Sobre esta batalha depende a sobrevivência da civilização cristã. Depende de nossa própria vida britânica e da longa continuidade de nossas instituições e nosso império. Toda a fúria e poder do inimigo deve logo se voltar contra nós. Hitler sabe que ele terá que nos quebrar nesta ilha ou perder a guerra. Se conseguirmos enfrentá-lo, toda a Europa poderá ser libertada e a vida do mundo poderá avançar em terras altas e ensolaradas. Mas se fracassarmos, então o mundo inteiro, incluindo os Estados Unidos, incluindo tudo o que conhecemos e cuidamos, afundará no abismo de uma nova idade das trevas tornada mais sinistra, e talvez mais demorada, pelas luzes da ciência pervertida. Vamos, portanto, nos preparar para os nossos deveres, e assim nos assegurarmos de que, se o Império Britânico e sua Commonwealth durarem mil anos, os homens ainda dirão: “Este foi seu melhor momento”.[4]

Churchill entrou para a história como o líder de uma fraca oposição isolada face a uma máquina de guerra dos nazistas, que na época estava invadindo toda a Europa continental e parecia não ter freios. Após uma série de batalhas e da participação decisiva dos Estados Unidos, a Segunda Guerra Mundial teve fim em 1945. Churchill saiu vitorioso e é celebrado até o momento entre seus compatriotas como um dos maiores britânicos.

As declarações de J.R.R. Tolkien sobre Winston Churchill

Antes de tratar sobre o que Tolkien pensava sobre o Primeiro Ministro, é interessante brevemente tratar sobre a posição política do Tolkien. De uma forma geral poderia se considerar Tolkien como um conservador, uma vez que apoiava o Partido Conservador (Conservative Party) ao invés de apoiar o Partido dos Trabalhadores (Labour Party). O fato de apoiar o Partido Conservador também estava relacionado com sua fé Católica tradicional. Mas ainda assim, ele não assumia a ideia de que novos pensamentos ou invenções eram boas apenas pelo fato de serem novas. Ambos os partidos mencionados havia ideias de seu tempo moderno e Tolkien era um medievalista e, de certa forma, antimodernista. Assim, o apoio ao Partido Conservador não é um alinhamento ideológico propriamente, mas sim uma escolha pelas circunstancias, pois Tolkien era contrário até mesmo à ideia do Estado em si, como ente dotado de poder.

Para Tolkien o poder pode corromper e aqueles que o buscam não devem ser confiáveis. O ideal medieval do “Nolo episcopari” era o que poderia ser interessante. Segundo esse princípio, deveria se tornar bispo da Igreja Católica aquele que não desejava tal cargo. Era frequente a escolha de monges para o cargo de Bispo. Dessa forma, para Tolkien, aquele que busca o poder pelo poder não deveria ser escolhido e sim aquele que fosse, a princípio, desinteressado no cargo. O poder incomodava Tolkien especialmente por sua capacidade destrutiva. As consequências do uso das máquinas contra a natureza, culminando com a destruição da vida era algo que o preocupava. Isso está bem demonstrado em suas obras, sobretudo em O Senhor dos Anéis.

O primeiro momento do Tolkien em relação a Churchill foi o seu apoio durante a Primeira Guerra Mundial. O autor do Senhor dos Anéis lutou como Tenente na defesa do interesse britânico e nessa época Churchill exercia o cargo de Primeiro Senhor do Almirantado (First Lord of the Admiralty). Antes de embarcar na batalha de Somme, Tolkien permaneceu em Oxford junto com outros estudantes universitários e lá ele estava ativo em sociedades. Uma delas era a The Stapeldon Society, que passou a enviar votos de confiança para os oficiais das forces armadas e enviou cartas de apoio ao Rei Albert da Bélgica e para Winston Churchill[5]. Dessa forma, é notória a informação que Tolkien conhecia Churchill desde a época da Primeira Guerra Mundial e o apoiava.

Com o inicio da Segunda Guerra Mundial, o cenário era diferente. Tolkien agora tinha quatro filhos e uma esposa. Era um pai preocupado com seus dois filhos Christopher e Michael Tolkien, que haviam sido recrutados para lutar contra as forças nazistas alemãs.

Tolkien acompanhava as notícias e costumava debater e conversar com seus amigos em Oxford. E assim como todo inglês, as preocupações eram constantes diante das incertezas da Guerra. O apoio a Winston Churchill como chefe maior do Estado parecia ser uma necessidade.

Em se tratando da opinião do Tolkien sobre Churchill, há uma carta de 9 de novembro de 1943, em plena época que seu filho Christopher Tolkien, com dezoito anos, estava junto a Força Aérea. Nessa carta é explicado um pouco da visão política do Tolkien e feita uma breve referência a Winston Churchill. Foi explicada sua ideia de que as pessoas não deveriam criar concepções sobre seus governantes como algo mais superior do que fosse.

Governo é um substantivo abstrato que significa a arte e o processo de governar, e deveria ser uma ofensa escrevê-lo com um G maiúsculo ou usá-lo para se referir a pessoas. Se as pessoas estivessem acostumadas a se referirem ao “conselho do Rei George, Winston e sua turma”, isso ajudaria a desanuviar certas concepções e a reduzir a assustadora vitória esmagadora da Elescracia. Em todo caso, o estudo apropriado do Homem é tudo, menos o Homem; e o trabalho mais impróprio a qualquer homem, mesmo os santos (os quais, de qualquer maneira, ao menos relutavam em realizá-lo), é mandar em outros homens. Nem mesmo um homem em um milhão é adequado para tal, e menos ainda aqueles que buscam a oportunidade. E pelo menos isso é feito apenas a um pequeno grupo de homens que sabem quem é seu mestre. (Carta de 9 de Novembro para Christopher Tolkien, in “As Cartas de J.R.R. Tolkien”).

O que fica claro é que Tolkien não apoiava políticos com toda a convicção. Não havia lideres que fossem imaculados ou que fossem defendidos a todo o custo. Visto que ele acreditava que o exercício de uma atividade de poder não era algo natural do homem em relação aos outros. É por isso que a ideia abstrata de um governo o incomodava. Seria algo mais realista dizer quem está a frente disso tudo.

A esqueda Josef Starlin, ao centro Roosevelt e a direita Churchill

Ainda em época de guerra, Tolkien fez uma nova referência a Churchill. Dessa vez vez um breve comentário a foto da Convenção de Teerã, onde os três lideres Josef Stalin, Roosevelt e Churchill se reuniram para organizar uma frente contra o avanço das forças de Adolf Hitler. A carta foi escrita em 9 de dezembro de 1943 e enviada para seu filho Christopher Tolkien, que ainda realizava treinamento para a força aérea britânica.

dei um tipo de sorriso doentio e “quase rolei no chão e já não mais me interessavam as boas maneiras” quando ouvi sobre aquele velho assassino sedento de sangue do Josef Stalin convidar todas as nações a se juntarem a uma família feliz de pessoas dedicadas à abolição da tirania e da intolerância! Mas também devo admitir que, na foto, nosso pequeno querubim W. S. C. de fato parecia o maior dos rufiões presentes.

A critica inicial do Tolkien ao encontro se dá pele contradição do fato de que Jose Stalin era um ditador responsável pela morte de milhões de pessoas e agora convocava outros líderes em nome da “abolição da tirania e da intolerância”. A referência a W.S.C. são as siglas do nome de Winston Spencer Churchill. Enquanto Querubim é um tipo de líder guerreiro dos anjos, sendo uma das posições mais altas na hierarquia celeste. Nesse ponto, trata-se de uma espécie de elogio chamar Churchill de um anjo guerreiro, como alguém que pudesse lutar beneficamente por sua causa. Porém, o elogio vem logo seguido de uma leve crítica dizendo que ele parecia o “maior dos rufiões presentes”, ou seja, alguém com a aparência de ser o mais beligerante ou violento entre os três. Tolkien finaliza a carta novamente se referindo a Churchill como Querubim dizendo: “Nosso Querubim mencionado acima pode fazer uma jogada astuta — supõe-se, espera-se, não se sabe…..”                                

Em 7 de maio de 1945 foi anunciado o fim da Guerra na Europa. Churchill foi vitorioso e agora seria considerado um grande herói britânico. Apesar disso, ele não conseguiu se reeleger na eleição de 1945, voltando ao cenário político em 1951 novamente como Primeiro Ministro. Até o momento, não há declarações sobre a política de Churchill registradas após 1943, deixando um vácuo sobre o que pensava sobre o segundo governo de Churchill.

Winston Churchill é o Tom Bombadil?

Na carta de setembro de 1954 para Peter Hastings, Tolkien responde sobre a personagem Tom Bombadil e faz uma breve referência a Tom Bombadil. A resposta dizia a respeito da afirmação do que seria Tom Bombadil e a resposta “Ele é”:

Apenas a primeira pessoa (de mundos ou de qualquer coisa) pode ser única. Se você diz ele é, deve haver mais de um, e uma (sub) existência criada está implícita.Certamente posso dizer “ele é” de Winston Churchill assim como de Tom Bombadil, não?

Essa breve citação poderia confundir algumas pessoas a ponto de levantar a ideia de que Churchill seria a personificação de Tom Bombadil. Porém, o próprio Tolkien dizia ser contrário a ideia de que suas obras eram um tipo de alegoria da Segunda Guerra Mundial. O uso do nome de Winston foi apenas para efeito de explicação das ideias e não que fosse algo diretamente relacionado a obra. De todo modo, o exemplo demonstra que Tolkien ainda conservava algum apreço por Churchill em 1954.

 

Tolkien e sua amizade com o biografo oficial de Winston Churchill

  

Tolkien foi amigo pessoal de Sir Martin Gilbert, um judeu historiador renomado por seus trabalhos sobre a história da Segunda Guerra Mundial e especialmente por ser o biografo oficial de Winston Churchill. Gilbert escreveu diversos livros narrando a história da vida do Primeiro Ministro.

Veja mais informações sobre isso AQUI.

Sir Martin Gilbert, historiador judeu amigo de Tolkien

 

C.S. Lewis sobre Winston Churchill

C.S. Lewis era um amigo próximo de J.R.R. Tolkien, que o encontrava frequentemente em Oxford junto ao grupo dos Inklings. Era comum o debate político e rotineiramente tratavam sobre o governo de Winston Churchill durante a Segunda Guerra. Ambos apoiaram o velho buldogue inglês na sua luta contra os nazistas.

Após a Segunda Guerra Mundial, a segunda voz mais escutada em rádios era a do professor C.S. Lewis. Seus trabalhos eram amplamente conhecidos e respeitados como uma fonte de esperança durante a guerra e como defesa da fé cristã.

A guerra mundial trouxe consequências para toda a Europa. A economia se desestabilizou com os gastos e diversas estruturas precisavam ser reconstruída ou restauradas. Especialmente a Inglaterra estava tendo diversas necessidades e caberia agora ao governo levantar novamente o país e evitar o caos.

Durante as eleições do Reino Unido em 1951, muitos candidatos apresentavam promessas que não pareciam ser realizáveis e Lewis acreditava na sinceridade de Winston, que na época dizia que a reconstrução seria penosa e difícil “eles estão prometendo a terra, enquanto Churchill, com seu usual senso comum, não está prometendo nada além de tempos difíceis.” (Carta para Vera Mathews em 18 de outubro de 1951). Foi esse senso comum que possibilitou a vitória eleitoral de Churchill. Além do trabalho anterior como Primeiro Ministro durante a Guerra, agora ele apresentava a realidade ao público e dizia com sinceridade da situação do país.

C. S. Lewis, escritor e amigo de Tolkien

Assim, Churchill foi eleito novamente como Primeiro Ministro e assim que iniciou o seu governo enviou uma carta dizendo que estava disposto a recomendar C.S. Lewis para receber o C.B.E na lista do ano seguinte (1952). O C.B.E (Commander of the most Excellent Order of the British Empire) é uma condecoração ou título honorífico dado ao britânico que realizou algum trabalho em prol do seu país ou que exerceu relevante atividade. No caso do Lewis a indicação seria relacionada ao seu empenho nos vários livros de sucesso literário. Em resposta a Churchill e ao Secretário do Primeiro Ministro, em 4 de dezembro de 1951, C.S. Lewis escreveu a seguinte carta:

Sinto-me muito grato ao primeiro-ministro e, no que diz respeito aos meus sentimentos pessoais, essa honra seria muito agradável. Sempre há, no entanto, os que dizem e os tolos que acreditam que meus escritos religiosos são todos propaganda anti-esquerdista encoberta, e que minha aparição na lista de Honras certamente fortaleceria suas mãos. Portanto, é melhor que eu não apareça lá. Tenho certeza de que o primeiro-ministro compreenderá minha razão e que minha gratidão é e será cordial. (LEWIS, C.S., Collected Letters of C.S. Lewis, vol. II)[6]

Nota-se nessa carta uma vontade de C.S. Lewis em evitar a política não se aliando a um lado determinado. A recusa não foi uma discordância em relação a Churchill, e sim um temor de ataques sem necessidade por parte daqueles que são adversários do Primeiro Ministro. A carta só foi divulgada após a morte de C.S. Lewis e o governo britânico confirmou essa informação após um requerimento com base na “Liberdade de Informação” em 26 de janeiro de 2012.

Mais de vinte anos depois, Tolkien recebeu esse mesmo título honorifico C.B.E. em 1973, dado pela Rainha Elisabeth II. (veja mais informações AQUI).

C.S. Lewis voltou a falar sobre Churchill em 7 de dezembro de 1953 em uma carta para  Edna Greene Watson. Aqui ele demonstra que a situação parece estar melhorando, após a crise gerada pela Segunda Guerra Mundial.

É muito gentil de sua parte mandar-me um presente de Natal tão bonito; pois, embora as coisas estejam melhorando aqui sob [o governo de] Winston, ainda não estamos exatamente vivendo em uma terra de leite e mel – o bolo, em particular, permanece como um luxo. (LEWIS, C.S., Collected Letters of C.S. Lewis, vol. II)[7]

Está demonstrado que Winston Churchill conhecia C.S. Lewis e talvez até mesmo possa ter lido algum de seus textos e livros. Embora não haja nenhum outro registro dessa relação, o que está evidente é que o Primeiro Ministro sabia da importância do escritor.

Enquanto Lewis tinha esse reconhecimento de um grande público, naquela época Tolkien era conhecido apenas dentro dos círculos acadêmicos e sua projeção pela publicação do livro O Hobbit em 1937. Tolkien ficou mais famoso após a publicação de O Senhor dos Anéis em 1954 e 1955, que se notabilizou especialmente nos Estados Unidos em 1965 (ano que Churchill faleceu).

Winston Churchill, o prêmio Nobel de Literatura

Winston Churchill além de político, também teve o seu papel de jornalista e escritor. Em 1953 ele foi laureado com o prêmio Nobel em literatura por sua obra “The Second World War”, de seis volumes no original inglês: “The Gathering Storm, Their Finest Hour, The Grand Alliance, The Hinge of Fate, Closing the Ring e Triumph and Tragedy, publicados entre os anos de 1948 e 1953.

No Brasil o livro foi condensado em dois volumes com o título “Memórias da Segunda Guerra Mundial” em um Box com os livros em capa dura, atualmente publicado pela editora Harpercollins Brasil. Para adquirir esses livros acesse AQUI.

O livro apresenta as visões particulares de Winston Churchill durante os momentos mais dramáticos da história da humanidade. É um livro notável por ter sido escrito justamente por um dos líderes da Guerra.

Escrever um livro é uma aventura. Ao começar é um brinquedo e uma diversão. Então se torna uma amante, então se torna um mestre, então se torna um tirano. A última fase é que, assim que se está prestes a se reconciliar com sua servidão, você mata o monstro e o lança ao público.( Winston Churchilll) [8]

 

Memórias da segunda guerra mundial – livro prêmio nobel de Churchill

 

Para adquirir esse box contendo os livros do Churchill acesse AQUI.

————————————-

NOTAS:

[1] http://news.bbc.co.uk/2/hi/entertainment/2509465.stm

[2] To form an administration of this scale and complexity is a serious undertaking in itself. But we are in the preliminary phase of one of the greatest battles in history. We are in action at many other points-in Norway and in Holland-and we have to be prepared in the Mediterranean. The air battle is continuing, and many preparations have to be made here at home.In this crisis I think I may be pardoned if I do not address the House at any length today, and I hope that any of my friends and colleagues or former colleagues who are affected by the political reconstruction will make all allowances for any lack of ceremony with which it has been necessary to act.I say to the House as I said to ministers who have joined this government, I have nothing to offer but blood, toil, tears, and sweat. We have before us an ordeal of the most grievous kind. We have before us many, many months of struggle and suffering.You ask, what is our policy? I say it is to wage war by land, sea, and air. War with all our might and with all the strength God has given us, and to wage war against a monstrous tyranny never surpassed in the dark and lamentable catalogue of human crime. That is our policy.You ask, what is our aim? I can answer in one word. It is victory. Victory at all costs – Victory in spite of all terrors – Victory, however long and hard the road may be, for without victory there is no survival.Let that be realized. No survival for the British Empire, no survival for all that the British Empire has stood for, no survival for the urge, the impulse of the ages, that mankind shall move forward toward his goal.I take up my task in buoyancy and hope. I feel sure that our cause will not be suffered to fail among men. I feel entitled at this juncture, at this time, to claim the aid of all and to say, “Come then, let us go forward together with our united strength.

[3] I have, myself, full confidence that if all do their duty, if nothing is neglected, and if the best arrangements are made, as they are being made, we shall prove ourselves once again able to defend our island home, to ride out the storm of war, and to outlive the menace of tyranny, if necessary for years, if necessary alone. At any rate, that is what we are going to try to do. That is the resolve of His Majesty’s government – every man of them. That is the will of parliament and the nation. The British empire and the French republic, linked together in their cause and in their need, will defend to the death their native soil, aiding each other like good comrades to the utmost of their strength. Even though large tracts of Europe and many old and famous states have fallen or may fall into the grip of the Gestapo and all the odious apparatus of Nazi rule, we shall not flag or fail. We shall go on to the end, we shall fight in France, we shall fight on the seas and oceans, we shall fight with growing confidence and growing strength in the air, we shall defend our island, whatever the cost may be, we shall fight on the beaches, we shall fight on the landing grounds, we shall fight in the fields and in the streets, we shall fight in the hills; we shall never surrender, and even if, which I do not for a moment believe, this island or a large part of it were subjugated and starving, then our empire beyond the seas, armed and guarded by the British fleet, would carry on the struggle, until, in God’s good time, the new world, with all its power and might, steps forth to the rescue and the liberation of the old.

[4] ….However matters may go in France or with the French Government or with another French Government, we in this island and in the British Empire will never lose our sense of comradeship with the French people. If we are now called upon to endure what they have suffered we shall emulate their courage, and if final victory rewards our toils they shall share the gains, aye. And freedom shall be restored to all. We abate nothing of our just demands—Czechs, Poles, Norwegians, Dutch, Belgians, all who have joined their causes to our own shall be restored. What General Weygand has called the Battle of France is over … the Battle of Britain is about to begin. Upon this battle depends the survival of Christian civilization. Upon it depends our own British life, and the long continuity of our institutions and our Empire. The whole fury and might of the enemy must very soon be turned on us. Hitler knows that he will have to break us in this island or lose the war. If we can stand up to him, all Europe may be freed and the life of the world may move forward into broad, sunlit uplands. But if we fail, then the whole world, including the United States, including all that we have known and cared for, will sink into the abyss of a new dark age made more sinister, and perhaps more protracted, by the lights of perverted science. Let us therefore brace ourselves to our duties, and so bear ourselves, that if the British Empire and its Commonwealth last for a thousand years, men will still say, “This was their finest hour.

[5] Urged on by Farnell, Tolkien and his few fellow undergraduates strove to keep the college societies going. The Stapeldon Society, a shadow of its former self and under ‘lowering clouds of Armageddon’, did its trivial best by passing a rousing vote of confidence in all Exonians in the armed forces and sending letters of support to King Albert of Belgium and Winston Churchill (then First Lord of the Admiralty). (Garth, John. Tolkien and the Great War, The Threshold of Middle-earth, p.49)

[6] I feel greatly obliged to the Prime Minister, and so far as my personal feelings are concerned this honour would be highly agreeable. There are always however knaves who say, and fools who believe, that my religious writings are all covert anti-Leftish propaganda, and my appearance in the Honours list would of course strengthen their hands. It is therefore better that I should not appear there. I am sure the Prime Minister will understand my reason, and that my gratitude is and will be none the less cordial.

[7] How very kind indeed of you to send me such a nice Xmas present; for, though things are improving over here under Winston, we are still not exactly living in a land of milk and honey – cake in particular remaining something of a luxury.

[8] Writing a book is an adventure. To begin with it is a toy and an amusement. Then it becomes a mistress, then it becomes a master, then it becomes a tyrant. The last phase is that just as you are about to be reconciled to your servitude, you kill the monster and fling him to the public.

Facebooktwittergoogle_plusredditby feather

Deixar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: