Saiba mais sobre O Hobbit, Senhor dos Anéis…

Será que algum dia veremos O Silmarillion nas telonas?

Por Pieter Collier

Traduzido por: Sérgio Ramos*.

                        Em dezembro, com o lançamento de O Hobbit: A Batalha dos Cinco Exércitos, Peter Jackson finaliza sua trilogia Hobbit – e de uma tacada conclui o que ele vê como uma série de filmes em seis partes. É claro que nós teremos então algumas edições estendidas e posteriormente, provavelmente, um box de DVD que inclua O Hobbit e O Senhor dos Anéis. Mas, depois disso, assim parece, a jornada de Peter Jackson à Terra-média estará finalmente finalizada.

            Contudo, por algum tempo já, fãs têm se perguntado se não há mais algum trabalho de Tolkien que Peter Jackson poderia adaptar para a telona. O Silmarillion, que precede tanto O Hobbit quanto O Senhor dos Anéis, é o projeto que muitos desejam que seja adaptado em filme. Alguns querem múltiplos filmes, outros anseiam por uma série de TV sem fim. Ensaios foram escritos sobre como O Silmarillion seria no formato de trilogia e listas foram compiladas como as 10 razões pelas quais Peter Jackson deve fazer O Silmarillion. Vimos o nascimento de alianças de roteiristas que estão compilando o melhor roteiro possível para O Silmarillion e muitas produções de fãs que ou nos trazem trailers ou mesmo filmes completos.

            A realidade, contudo, é que O Silmarillion provavelmente nunca será filmado. Como Peter Jackson explicou recentemente numa conferência de imprensa na Comic-Con International:

“J. R. R. Tolkien vendeu os direitos cinematográficos de O Hobbit e O Senhor dos Anéis nos anos 60. O Silmarillion ainda não havia sido escrito. Ele nem mesmo foi escrito durante sua vida. Ele foi escrito por ele e, parcialmente, seu filho o terminou após sua morte e o publicou postumamente ao falecimento do Professor. Assim, os direitos de filmagem estão com eles, e os proprietários não têm interesse em discutir direitos cinematográficos com ninguém. Então, esta é a situação. Eles não estão tão desembaraçados quanto O Senhor dos Anéis e O Hobbit.”

            É claro que sabemos que Tolkien começou a trabalhar nas histórias que formariam O Silmarillion em 1914, muito antes de vender os direitos de filmagem de O Hobbit e O Senhor dos Anéis, e escreveu e reescreveu muitos dos contos pelo resto de sua vida. Então, a resposta de Peter Jackson não foi muito precisa.

silmarillion

            Muito antes disso, em 2012, quando perguntado por um fã na Comic Con se ele planejava continuar fazendo filmes relacionados a Terra-média e, mais especificamente, O Silmarillion, Peter Jackson respondeu:

“Eu não acho que a Tolkien Estate tenha gostado daqueles filmes. Eu não acho que O Silmarillion sairá do lugar por um longo tempo.”

            E é verdade, Peter Jackson nunca obterá os direitos de fazer uma adaptação cinematográfica de O Silmarillion, nem tampouco qualquer outro produtor. Diferentemente de O Senhor dos Anéis e O Hobbit, os direitos de filmagem de O Silmarillion nunca foram vendidos e ainda permanecem com a Família Tolkien. Mais ainda, O Silmarillion foi compilado, editado e publicado postumamente por Christopher Tolkien. Dizer que J. R. R. Tolkien o considerava seu maior trabalho e que seu filho Christopher tem uma profunda ligação emocional com esta obra é apenas o início de uma longa história. As chances de se ver O Silmarillion transformado em filme são provavelmente tão remotas quanto ganhar na loteria, mesmo que você decida doar o prêmio a alguma causa nobre.

            Christopher Tolkien tomou para si um trabalho enorme após a morte de seu pai. Depois de se tornar o guardião dos direitos autorais do trabalho de seu pai, ele começou a trabalhar nas 70 caixas de material arquivado deixado por seu pai, cada caixa cheia de milhares de páginas não publicadas. Juntamente com o aclamado escritor de fantasia Guy Gavriel Kay, Christopher colou, editou e expandiu a páginas não datadas nem numeradas, produzindo O Silmarillion em 1977. E isso foi apenas o começo de uma das maiores conquistas literárias da história. Contos Inacabados de Númenor e da Terra-média, uma coleção de histórias e ensaios que nunca foram completados por seu pai, também foi editado e lançado em 1980. Então, por dezoito anos, e com absoluta dedicação em preservar o legado de seu pai, Christopher Tolkien trabalhou na edição do material inacabado remanescente, gradualmente lançando os massivos doze volumes do The History Of Middle-earth. Em 2007, ele lançou a versão completa de Os Filhos de Húrin, a qual foi concebida originalmente por seu pai ao final dos anos 1910 e teve partes publicas antes – n´O Silmarillion, Contos Inacabados, The Book of Lost Tales e The Lays of Beleriand. A Lenda de Sigurd e Gudrún, que foi lançado em 2009, reconta a lenda de Sigurd e a queda dos Niflungs da mitologia germânica. É um poema narrativo composto em versos aliterativos e modelado de acordo com a poesia nórdica antiga do Antigo Edda. Christopher Tolkien forneceu notas e comentários abundantes sobre o trabalho de seu pai. Em 2013, ele lançou A Queda de Arthur, um longo poema narrativo composto por Tolkien no início dos anos 30. Beowulf: A Translation and Commentary o seguiu em maio de 2014, uma tradução em prosa do antigo poema medieval Beowulf do inglês antigo para o moderno, traduzido por Tolkien entre 1920 e 1926, e mais uma vez editado por seu filho Christopher. E então há outros trabalhos como Sr. Bliss, As Cartas do Papai Noel, e por aí vai… E nós nem sabemos em que outro livro Christopher Tolkien possa estar trabalhando agora.

            Tendo dedicado a maior parte de sua vida ao trabalho do pai, não é de se surpreender que Christopher seja a maior autoridade em julgar as adaptações cinematográficas de Peter Jackson sobre os trabalhos de seu pai.

            E o que Christopher acredita é que Tolkien agora se tornou um monstro “… devorado por sua própria popularidade e absorvido pela insensatez de nosso tempo”:

“O abismo entre a beleza e seriedade do trabalho e o que ele se tornou me oprimiu. A comercialização reduziu a estética e o impacto filosófico da criação a nada. Há apenas uma solução para mim: virar meu rosto para o outro lado.”

            Levou um tempo bem longo para Christopher Tolkien finalmente nos dar sua opinião – a qual ele deu numa entrevista para o LeMonde, uma das primeiras em quarenta anos. Fica claro que o tratamento terrível que tanto a família quanto a editora de Tolkien foram submetidos ao longo da última década pelos estúdios de cinema finalmente recebeu o que merecia. Tendo cuidadosamente evitado a imprensa e nunca antes expressado uma opinião oficial sobre a trilogia cinematográfica de O Senhor dos Anéis de Peter Jackson, Christopher finalmente irrompeu: “Eles evisceraram o livro transformando-o num filme de ação para jovens de 15 a 25 anos. E parece que O Hobbit será o mesmo tipo de filme.”

Clique para ampliar

Clique para ampliar

            Ele provavelmente está correto; e a maioria dos que amam seus trabalhos percebem que os filmes, um produto da atualidade, e todos os jogos que os seguiram, são melhor descritos como “fanfics” do que “baseados na obra de J. R. R. Tolkien”.

            Talvez, o Professor Tom Shippey nos tenha dado o melhor resumo da situação no ensaio sobre os filmes de Peter Jackson que foi adicionado à terceira edição de The Road to Middle-Earth. Shippey observa que Jackson “é mais rápido que Tolkien para identificar o mal sem qualificação, e como uma força puramente externa… Há o núcleo aqui de um sério desafio para a visão de Tolkien do mundo, com sua insistência na natureza decaída mesmo dos melhores, e sua convicção de que, enquanto as vitórias sempre valem a pena, elas também são sempre temporárias. E isso poderia, por fim, ser um problema não criado por alguma falha em perceber ´o cerne do original´, mas uma grave e genuína diferença entre as duas mídias diversas e seus ´respectivos cânones de arte narrativa´.”

*Artigo original em inglês publicado em: http://www.tolkienlibrary.com/press/1180-on-the-possibility-of-a-silmarillion-movie.php Agradecemos ao Pieter Collier por gentilmente dar a permissão para traduzir e publicar.

Facebooktwittergoogle_plusredditby feather
  • Hique: de férias na Terra

    Seriam necessários, no mínimo, uns 12 filmes para compor toda a saga do livro de maneira decente.

    Não há condições de transpor o Silmarillion para as telonas. Talvez uma looonga série.

  • Marcos Mocatino

    tolkien é tão bom, q qnto mais coisa sair melhor.. q saiam novos livros e façam 10 versões de lotr e do hobbit, q filmem o silmarillion e td mais.. eu não me importo com o q o filho dele acha, até pq quem criou essa a história não foi ele..que tem sua visão assim como cada um dos fãs…
    não vejo a hora da obra virar direito publico para ter jogo, serie, filme, desenho e a caralhada toda para ver… vai ter muita coisa ruim é obvio, mas vai ter muita coisa foda tb.. e quem for purista ou se sentir incomodado sempre vai ter o direito de não assistir… afinal, não me recordo de ter visto ninguém amarrado na cadeira do cinema em nenhma das ocasiões..

  • Pulyx

    Eu discordo totalmente do Tolkien. Ele e o pai dele não são detentores das imaginações alheias e eles não tem autoridade pra regular como eu ou outras pessoas imaginam o que seu pai e ele escreveram.
    Quando você é uma pessoa criativa e você coloca uma obra no mundo, você não ganha o poder de guiar a interpretação dos seus receptores. O Tolkien deu um presente pro mundo na forma dos trabalhos dele, e enquanto ele era vivo, ele ajudou nossas imaginações a realizar o mundo que ele criou. Ele detinha, de fato, o poder de como ELE imaginava as coisas e podia esclarecer seus leitores quanto a isso quando perguntado.
    Mas o que EU imagino, ninguém é dono. Então o Christopher Tolkien não tem direito de falar que alguém “eviscerou” o trabalho do pai dele só porque ele não gostou daquela interpretação. Ele pode até falar “Olha, acho que meu pai não ia gostar”. Mas é só isso. É igual filho. A gente não cria pra gente, filhos são do mundo.

    E eventualmente será. Em 2043 a obra completa do Tolkien vira dominio público. Espero que os fãs estejam firmes e fortes na criação.
    E até lá, a tecnologia vai permitir um filme do Silmarillion digno do espetáculo dramático e visual que é descrito no livro.

  • Emilson Paulo de Amorim

    Espero mesmo que nunca façam com O Silmarillion o que fizeram com O Senhor dos Anéis e O Hobbit, eu conheci as obras antes de serem lançadas em filme e acho que a massificação das mesmas não é interessante, pois a grande massa não capta o verdadeiro sentimento que as obras passam e o cinema contribui muito para isso. Para conhecer Tolkien a pessoa deve ler os livros, muitas pessoas que assistem os filmes não gostam de ler, por isso nunca conhecerão a verdadeira obra de arte que nos foi presenteada.

  • Rodrigo Oliveira

    Acredito que uma adaptação de Silmarillion as telonas seria um grande desafio para Peter Jackson e toda sua equipe, pois diferente das duas trilogias ja adaptadas, O Silmarillion não tem uma história que segue um fluxo bem definido e não possui um personagem central bem definido, esta certo que muito dos capítulos explicando a situação da terra média podem ser enxugados, porém a falta de uma história central tornaria o trabalho bem complexo. Acho que uma solução seria focar nos contos mais bem acabados (Os filhos de Hurim, Beren e Lúthien ) seriam bons e abririam espaço para uma quantidade ainda maior de adaptações. Porém não existe um fã maior das obras do Tolkien que não seja o Christopher. E talvez essa indisposição a vender os direitos não seja apenas por ele achar as adaptações ruins, mas sim pelo fato de ele ter sido “ignorado” por tantos anos.
    Eu só espero um dia poder ver nos cinemas relatos da Primeira Era da Terra Média.

  • Carla Moreira

    Acho que passar o Simalrillion inteiro é meio complicado, pois este livro é tipo uma bíblia, é cheio de histórias uma dentro das outras. Mas daí a pegar essas histórias e desenvolver filmes a partir delas, acho uma boa. E de pedaço em pedaço vai o livro inteiro :D. A GUERRA DA IRA daria um bom filme

  • carlos

    Eu só sei que esses filmes épicos são fodasticos, deveriam entrar em acordo, e trabalharem pra fazerem pelo menos mais uns 6 filmes, senhor dos anéis mesmo, é um filme top de linha, imagina se sair outro senhor dos anéis com o gráfico de hoje em dia, ia ficar show, render milhoes para eles e a gente ficaria feliz. Agora mesmo queria assistir um lançamento de um filme épico bom, aquela poha de guerra dos tronos não tem fim nunca, e demora mais de um ano pra sair outra temporada, vou assistir brasileirinhas, os atores de brasileirinhas não tem preguiça, eles gravam a hora que os diretores mandarem.

  • Jeider Correia

    Sei que nem tudo gira em torno de dinheiro. Mas a verdade é que as adaptações geraram muitos lucros a família Tolkien. Segundo pesquisa feita pela FORBES em 2009, Tolkien é a quinta celebridade que mais gerou lucros após sua morte. O sucesso literário é constante e se mantem entre os mais vendidos livros do mundo. Com o lançamentos dos filmes de Peter Jackson as vendas foram ainda mais ampliadas. Ou seja, as adaptações ajudaram e muito o conhecimento a J.R.R. Tolkien.

  • Bruno Luna

    Ele tem cara de ser muito chato, mas de fato a dedicação artística que ele carrega durante toda sua vida traz consigo um senso crítico natural fora do comum, imagine se dedicar a uma obra até o presente momento e saber que durará anos e anos, qualquer falha se torna decisiva, é difícil arriscar, o legado de sua família está em jogo, a sua vida se tornou marcada por isso, o sobrenome Tolkien sempre irá ecoar no mundo inteiro como detentor desse magnífico universo. Acredito muito que muitas pessoas valorizam não o que elas são, mas sim o que fazem na vida que possuem e acredito que os Ingleses valorizam isso de verdade, com muito mais dedicação, principalmente quando se fala em comunicação, não é a toa que a Inglaterra tem um dos maiores polos comunicacionais do mundo, difundindo religiões, modelos econômicos, estilos musicais e de vida, entre uma série de outros aspectos que transformaram o mundo que você vive agora.

  • Diego

    Na minha humilde opinião, que infelizmente não chegará aos olhos e/ou ouvidos do Christopher Tolkien… Acho que ele deveria se reunir com a equipe de produção que ele julgar ser melhor e fechar com algum estúdio que ele também achar ser o mais sério e discutir logo as cláusulas contratuais dos direitos de filmagem. Acho que ele deve isso aos fãs de cinema. Os fãs de livros, com certeza serão gratos ao pai dele, mas existem os que preferem (talvez por preguiça, no meu caso) acompanhar a história nas telonas. É simples de se resolver isso! Basta sentar com a equipe e definir o que será feito. Se ele não gosta muito de puxarem a parte da “ação”, que escrevam no contrato que o filme terá menos de guerras e mais da magia que tem nos livros. Ou enfim, qualquer que seja o problema, basta entrar em acordo e todo mundo fica feliz. Daí basta ele “fiscalizar” no momento das filmagens, se o contrato está sendo cumprido… Acompanhei todos os filmes e digo com certeza que foram as melhores sequências que já vi. E olha que vejo uns 300 filmes por ano. Gosto muito dessa “magia” de elfos, magos, etc… É reconfortante mergulhar nesse universo “perfeito” e esquecer que a vida real é uma bosta!

  • Diego

    Na minha humilde opinião, que infelizmente não chegará aos olhos e/ou ouvidos do Christopher Tolkien… Acho que ele deveria se reunir com a equipe de produção que ele julgar ser melhor e fechar com algum estúdio que ele também achar ser o mais sério e discutir logo as cláusulas contratuais dos direitos de filmagem. Acho que ele deve isso aos fãs de cinema. Os fãs de livros, com certeza serão gratos ao pai dele, mas existem os que preferem (talvez por preguiça, no meu caso) acompanhar a história nas telonas. É simples de se resolver isso! Basta sentar com a equipe e definir o que será feito. Se ele não gosta muito de puxarem a parte da “ação”, que escrevam no contrato que o filme terá menos de guerras e mais da magia que tem nos livros. Ou enfim, qualquer que seja o problema, basta entrar em acordo e todo mundo fica feliz.

  • Jeider Correia

    A verdade é bem simples. O Cinema/Tv ajuda e muito na popularização dos livros.

    Temos vários exemplos, como Crônicas de Gelo e Fogo, Nárnia, Harry Potter até o próprio Crepúsculo(uma merda de filme). Quem aqui já leu Eragon? Se o filme fosse bom. O livro estaria nas primeiras prateleiras de livrarias.
    Christopher, libera essa zorra ai!

  • Vinicius Rocha

    Estou muito mais ansioso pelo lançamento dos 12 volumes da “História da Terra-Média” em português do que qualquer outra adaptação cinematográfica.

    • Vítor Santander de Souza

      Eu também. kkk Prefiro mil vezes esses livros do que o filme. kkk

  • Vitor Neves

    Não acredito que O Silmarillion seja adaptado para as cinemas, até porque são várias histórias que vazem parte do livro e não uma única. Talvez se houvesse a adaptação de uma história específica… como a de Luthien e Beren

  • Dino Nosbor Robim

    Até gostaria de ver O Silmarillion nas telonas.Porém,é necessário um longo trabalho pela frente.Peter e sua equipe acabaram de lançar o fechado de filmes da Terra-Média , e concordo que não veremos O Silmarillion por um bom tempo.
    O Importante é que os Livros estão ai,e se um dia tornará filmes , serie de Tv ou qualquer outra coisa , claro , será muito bem vindo.!

  • Arthur Damaso

    Chega de adaptações por um bom tempo, sempre teremos os livros ao nosso alcance, isso já basta.

    • Phelipe Passos

      Fale por si próprio.

    • Lucas Rafael Albert

      Fale por si próprio. [2]

    • Victor Mendes

      Fale por si próprio. [3]

  • Lucas Amorim

    Li em outro lugar que segundo as Leis da Inglaterra, todas as obrs se tornam de domínio público após 100 anos ou algo assim, isso procede ? E se procede, é apenas questão de tempo, afinal assim que chegar este tempo teremos vários estúdios tentando a adaptação…

    • Gustavo Henrique

      Do mesmo jeito é impossível que PJ faça uma adaptação, até porque o livro só faz 100 anos em 2077.

      • GvinahGui

        Não entendo muito de leis, muito menos lá da Inglaterra,kkkk. Mas acho que é considerado 100 anos após a morte do autor (ou detentor dos direitos autorais), que no caso seria o filho dele, Christopher Tolkien (que, com seus 90 anos, não ta muito longe :/ ). De qualquer forma, tá muuuito longe disso acontecer, e, provavelmente, alguns de nós não vão chegar até la :’D.

    • d4rkS0g3r

      Só que tem a Tolkien State, os direitos pertencem a ela

  • Alisson Seraggioto

    Não concordo totalmente com o Christopher, pois as adaptações foram excelentes e fiéis dentro do possível, e se não fosse os filmes muitas gente não conheceria as obras do pai dele.

    • Daniel Sagara Jorge

      o que acontece,todos iriam conhecer o Senhor dos anéis,pois é um livro clássico é o segundo livro literário mais lido no sec XX,como alguem não ia conhecer ?

      • Fabio

        Todos e uma palavra bem forte nao achas????
        eu mesmo fiquei sabendo que senhor dos aneis foi adaptado de um livro logo apos ter assistido a trilogia

      • Todos? quem tem costume de ler é lá fora aqui no Brasil o povo só lê quando o livro é modinha essa é a verdade, mas lógico nem todos são assim. Hoje com a internet ficamos sabendo de muitas coisa, mas antigamente não! eu nunca tinha ouvido falar e olha que eu amo livros, mas o senhor dos anéis não conhecia. e outra se o filme fosse tão ruim não teria levado 11 Oscar.