Saiba mais sobre O Hobbit, Senhor dos Anéis…

9 histórias do Tolkien com as quais só podemos sonhar – Por Shaun Gunner

Shaun Gunner é o atual Presidente da Tolkien Society. Eleito em 2013, Shaun fala regularmente sobre adaptações das obras de Tolkien enquanto acredita apaixonadamente que a Sociedade precisa alcançar novos públicos. Profissionalmente, ele trabalha com política, e em seu tempo livre pode ser encontrado no cinema, jogando videogame, ou em um restaurante agradável.

Shaun Gunner é o atual Presidente da Tolkien Society. Eleito em 2013, Shaun fala regularmente sobre adaptações das obras de Tolkien enquanto acredita apaixonadamente que a Sociedade precisa alcançar novos públicos. Profissionalmente, ele trabalha com política, e em seu tempo livre pode ser encontrado no cinema, jogando videogame, ou em um restaurante agradável.

Tradução: Sérgio Ramos.

Tolkien não é, necessariamente, conhecido por sua brevidade: O Senhor dos Anéis emparelha com Guerra e Paz, O Conde de Montecristo e E O Vento Levou como alvo de piadas por seu comprimento; embora Tolkien bata o Bardo em termos de contagem de palavras. Sem nem mesmo incluir o The History of Middle-earth ou escritos acadêmicos, os trabalhos do Professor ultrapassam mais de um milhão de palavras. Pode parecer estranho que eu desejasse por algo mais, mas eu desejo.

Dito isto, há apenas cinco livros principais sobre a Terra-média: O Hobbit, O Senhor dos Anéis, O Silmarillion, Contos Inacabados e Os Filhos de Húrin. C. S. Lewis deu a seus leitores sete livros em As Crônicas de Narnia – um modelo que foi seguido tanto por J. K. Rowling quanto por George R. R. Martin – embora os viciados em Discworld tenham sido mimados com 40 livros. Nós, contudo, temos que nos consolar com reflexões inacabadas, fragmentos dispersos e passagens contraditórias.

Deixando de lado questões como a cor do cabelo de Legolas, as asas dos balrogs e a exata natureza de Tom Bombadil, imaginemos que foi descoberto em um sótão um maço de manuscritos originais de Tolkien a ser publicado nos próximos anos. O que gostaríamos que estivesse nessa papelada?

 

A Queda de Gondolin

Embora um capítulo do tomo póstumo de Tolkien, O Silmarillion, – “De Tuor e da Queda de Gondolin” – seja dedicado à destruição de Gondolin, infelizmente a versão mais longa da história permanece inacabada. Uma versão inicial foi publicada em The Book of Lost Tales Part Two, mas com 50 páginas não é suficientemente grande como gostaríamos ou sua história casa perfeitamente com a versão condensada em O Silmarillion. Assim como Os Filhos de Húrin foi publicado em 2007, uma versão similar de “A Queda de Gondolin” seria perfeita; um glorioso drama de amor, traição, bravura e guerra, A Queda de Gondolin seria um bravo companheiro para Os Filhos de Húrin.

Gondolin, por J. R. R. Tolkien (colorido por H.E. Riddett)

Gondolin, por J. R. R. Tolkien (colorido por H.E. Riddett)

Os Magos Azuis

Sabemos que cinco magos foram enviados à Terra-média, incluindo Saruman, Gandalf e Radagast. Mas as únicas coisas que sabemos com certeza sobre os outros dois são que eles eram azuis e que viveram no leste da Terra-média. Tolkien mudou em sua mente seus nomes, sua data de chegada, e se eles obtiveram sucesso em sua missão contra Sauron. Um pouquinho precioso é conhecido sobre esses dois magos e seria tentador ouvir sobre suas personalidades, que culturas e povos eles encontraram, e em que aventuras eles se envolveram. Se O Hobbit e O Senhor dos Anéis são desafios ao redor de Gandalf, basta imaginar o que os Magos Azuis poderiam ter conseguido.

Os Magos Azuis (arte de Dan Pilla).

Os Magos Azuis (arte de Dan Pilla).

Númenor

A história da Segunda Era é dominada por Númenor e os númenóreanos. Mas, exceto pela fundação de Númenor e sua queda, pouquíssimos parágrafos são destinados a descrevê-la em detalhes – muitos dos Reis e Rainhas são simplesmente nomes em uma lista, enquanto desconhecemos até mesmo os nomes da esposa de Isildur e de sua mãe. Tudo que temos para continuar são o Akallabêth e os três capítulos em Contos Inacabados; milênios inteiros se passam com menção escassa. Você sabe alguma coisa sobre o reinado de Tar-Telemmaitë? Não, nem eu.

Marinheiros

Marinheiros e navegações têm uma interessante dicotomia nas histórias de Tolkien. De um lado, navios são utilizados como instrumentos poderosos em momentos-chave nas histórias de Tolkien: os Corsários de Umbar, a tentativa de Ar-Pharazôn de invadir Valinor, a queimada de navios em Losgar por Fëanor, o afogamento dos pais de Frodo, Eärendil navegando para Aman, Frodo deixando a Terra-média. Ainda, embora navios sejam usados como forma de transporte nos trabalhos de Tolkien, muito pouco é dito sobre as próprias jornadas. Ainda mais curioso, os povos da Terra-média – salvo Aldarion e Basso Boffin – eram surpreendentemente indiferentes sobre o mundo que habitavam. Como era a vida a bordo dos navios? Já houve grandes batalhas navais com outro poder? Alguns marinheiros já ficaram para trás para começarem colônias em alcances distantes de Arda? Essencialmente, eu gostaria da versão de Tolkien para A Viagem do Peregrino da Alvorada.

Anões

Deixando de lado Mîm, o Anão-pequeno, em O Silmarillion, e Gimli em O Senhor dos Anéis, nosso único conhecimento expandido real sobre os anões está em O Hobbit. Até mesmo lá, nosso conhecimento do vestuário anão e cultura (salvo as cores de seus capuzes) é bastante irregular na melhor das hipóteses. Mais importante, quatro dos sete clãs anões – Ironfists, Stiffbeards, Blacklocks e Stonefoots – não sabemos absolutamente nada fora suas localizações no leste. Nós merecemos saber tanto dos anões quanto sabemos dos elfos, homens e hobbits.

Avanços tecnológicos

Ao invés de uma história específica, esta é uma observação geral. Datas claras são dadas para a invenção do Tengwar, a criação das Silmarils e o crescimento da erva de fumo no Condado. Pelo final da Terceira Era, o Condado parece ter desenvolvido um sistema legal suficientemente sofisticado para declarar alguém morto e leiloar suas coisas, mas não há eletricidade. E sobre a máquina a vapor? Ou o canhão? Por que essas civilizações aparentemente sofisticadas não avançavam tecnologicamente?

 

Orcs

“De minha parte, creio que será considerado muito melhor por todas as partes deixar o passado para a História, especialmente como proponho escrever aquela história.” – Winston Churchill

História é escrita pelos vitoriosos, assim é dito, e orcs são os perdedores da Terra-média. A captura de Merry e Pippin por orcs e as interações de Sam com eles em Cirith Ungol providenciam um vislumbre notável na psique dos orcs. Longe de serem descerebrados, servos inúteis como podem ser caricaturados, eles são mostrados inteligentes e pensativos (embora ainda provavelmente equivocados, se não totalmente desagradáveis). Esta imagem fornece um divertido exemplo de como uma história escrita da perspectiva dos orcs poderia parecer.

 

Mapas

A primeira experiência da Terra-média para muitas crianças é de reverência, espanto e curiosidade em ver o fantástico mundo se alastrando abaixo de seus dedos no Mapa de Thrór ou no mapa da Terra-média no final de O Senhor dos Anéis. Estes mapas são belos e fascinantes: tenho certeza que milhares de pessoas ao redor do mundo passaram horas debruçados sobre os mapas, quiçá tentando redesenhá-los. O “Mapa de Rohan, Gondor e Mordor” fornece um nível de detalhe satisfatório que eu quero para toda a Terra-média: o que está ao norte de Forochel? Onde está Hardbottle? Quais são as cidades de Harad? Mais do que isso, alguns artistas, com o passar dos anos – como a falecida Karen Wynn-Fonstead – fizeram seus próprios mapas de cidades como Minas Tirith e Gondolin. Tal nível de detalhe do próprio Tolkien seria avida e alegremente devorado pelos leitores.

Mapa do Condado, por J. R. R. Tolkien.

Mapa do Condado, por J. R. R. Tolkien.

 

Dagor Dagorath

Quando o mundo estiver velho e os Poderes se cansarem, então Morgoth voltará pela Porta da Noite Eterna; e ele destruirá o Sol e a Lua, mas Eärendel virá sobre ele como uma chama branca e o lançará dos ares. Então ocorrerá a última batalha a ser travada nos campos de Valinor. […] Depois disso, deverão as Silmarils serem recuperadas do mar, da terra e do ar […] e com seu fogo reacenderão as Duas Árvores

Alguns detalhes da Última Batalha, ou Dagor Dagorath, como incluídos na p. 165 de The Shaping of Middle-earth.

Christopher Tolkien decidiu remover as referências à Segunda Profecia de Mandos – incluindo a Última Batalha – devido a sua inconsistência com revisões posteriores de O Silmarillion e o texto publicado. O blogueiro e amigo Michael Martinez assinala que “Sem uma visão clara para a Guerra da Ira, Christopher Tolkien lutou para produzir um final coerente para a história” – eu adoraria se existisse um esboço tão claro.

___

Comente se você concorda ou discorda de minhas sugestões, ou se você tem sugestões das histórias que gostaria de ver. Mas lembre-se: balrogs não têm asas, caso contrário eles não ficariam caindo tanto de montanhas!

Artigo originalmente publicado AQUI em 09 de junho de 2015. A tradução foi feita por Sérgio Ramos com a devida autorização do autor, Shaun Gunner.

Facebooktwittergoogle_plusredditby feather

7 comentários

  1. Ronaldo Hoch /

    Queria saber da histórias dos povos que serviram Sauron na guerra do anel.

    Rhûn, Harad e Khând, não lembro se tem coisas sobre eles.

  2. Amaro /

    Silmarillion seria muito difícil de adaptar em live action, mas acho que seria sensacional de fizessem em animação. Poderia ser sei lá umas 3 temporadas.

  3. Bob Nerd /

    Bem, já que pode ser bem difícil ver filmes sobre isso gostaria que a WB Games aproveitasse essas ideias para gerar obras tão boas, ou melhores, que Shadows of Mordor.

  4. Gustavo Kaspary /

    Queria saber mais sobre o drunedains.

  5. Vitor De Marco Snow /

    seria legal outros contos que não girassem em torno de Gandalf, elfos homens e hobbits, para um povo desconhecido da terra média eles são muito populares

  6. Vinicius Dsan /

    excelentes sugestões e eu acrescentaria mais algumas (que eu sempre imaginei) como por exemplo mais detalhes de Rhûn, khand e outras terras intrigantes, a questão das entesposas, Moria e suas galerias mais profundas e os seres que la habitam (segundo o relato de Gandalf, “ha criaturas mais velhas que o mundo, que nem Sauron conhece”), a construção de Orthanc, a caçada em Rhun (tem a ver com a trombeta de Boromir), diversas batalhas, etc.

  7. Álvaro o Bardo /

    Muito bom o artigo!

Deixar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: