Saiba mais sobre O Hobbit, Senhor dos Anéis…

A vida de Priscilla Tolkien – Parte 2

by Eduardo Stark

Essa é a continuação de nosso longo texto sobre a vida de Priscilla Tolkien. Para ver a parte anterior clique AQUI.

 

———————————————————————————–

 

A Segunda Guerra Mundial

 

Em 03 de setembro de 1939 a Grã-Bretanha envia um segundo ultimato para a Alemanha por volta das nove horas da manhã. A onze horas a Bretanha declara guerra contra a Alemanha. Logo, as onze e quinze desse dia o Primeiro Ministro Neville Chamberlain anuncia o ato pelo radio.

Priscilla Tolkien lembra-se com muita vivacidade em sua memória esse momento da declaração de guerra. Ela, seu pai e seu irmão Christopher tinham ido a missa na Igreja de St Gregory que fica na Woodstock Road.

O padre Douglas Carter, pároco e amigo da família, ofereceu-se para quem desejasse permanecer e escutar o anúncio pela radio, mas o professor Tolkien, visivelmente chateado por estar em guerra, decidiu ir para casa encontrar com Edith que estava escutando o radio na cozinha.

Evidente que Priscilla não conseguiria entender em um primeiro momento as consequências da guerra, já que tinha apenas dez anos e nunca tinha vivenciado momentos conturbados. Mas seu pai já havia estado no fronte da primeira guerra mundial e ele conhecia muito bem o que isso significava.

De fato, nesse dia provavelmente Tolkien lembrou do seu sofrimento na primeira guerra mundial e sabia que uma segunda guerra poderia trazer grandes consequências para seu pais e especialmente para sua família.

Igreja St  Gregory em Oxford

Igreja St Gregory em Oxford

Nessa época todos os seus filhos homens já tinham idade suficiente para servirem como soldados na guerra. E no ano seguinte a declaração de guerra os preparativos para embarcarem para o serviço militar começaram.

Dos quatro filhos de Tolkien, Priscilla foi a única que permaneceu com seus pais, em razão da sua idade. As consequências da segunda guerra em sua vida implicaram uma constante vigilância e um medo dos bombardeamos feitos pelos aviões alemãs as cidades.

Logo no inicio da guerra, em 05 de setembro de 1939, Priscilla lembra da primeira vez em que o alarme soou em Oxford avisando de um possível ataque aérea:

vividamente lembro o caos que isso causou bem no início da manhã com o trânsito no auge, com os policiais parando o transito com os guardas anti mísseis pelas ruas.Se tivesse acontecido um ataque aéreo teria sido catastrófico”.

Várias cidades da Inglaterra foram bombardeadas especialmente Londres, Southampton, Portsmouth, Plymouth, Bristol,Cardiff, Coventry, Birmingham, Nottingham, Manchester, Sheffield, Liverpool, Hull, Newcastle, Glasgow, e Belfast.

O que ninguém sabia na época era que Adolf Hitler havia escolhido Oxford para ser sua capital na Inglaterra invadida pelos alemães.Seria sua nova base de expansão pela Europa e pretendia aproveitar os conhecimentos ali reunidos, as bibliotecas e obras de arte do local.

 

Oxford High School for girls (1942-1947)

 

O fato de viverem em uma época de Segunda Guerra Mundial não impediu Tolkien de pretender dar uma boa educação a sua única filha. Logo após o anuncio da guerra o professor Tolkien decidiu que Priscilla deveria permanecer estudando em casa com sua antiga professora de piano, até que completasse a idade para estudar novamente em uma escola para meninas adolescentes.

Sendo a única filha do professor, em uma época que havia ainda um grande preconceito em relação a capacidade de estudar das mulheres, Priscilla Tolkien lembra que seu pai tinha uma

crença completa em educação superior para garotas. Nunca em minha vida ou desde que me lembre senti que alguma diferença foi feita entre mim e meus irmãos, tanto quanto as nossas necessidades educacionais e oportunidades eram o interesse”.

Com essa ideia, Tolkien matriculou sua filha na Oxford High School for girls, uma escola independente para garotas, sendo a mais antiga escola para garotas da cidade fundada em 1875.

Nessa época, a família Tolkien ainda vivia na casa em 20 Northmoor Road, o que era bastante conveniente para o deslocamento de Priscilla até a escola. Bastava virar a esquerda na primeira rua ao norte e depois virar a direita seguindo direto e em menos de cinco minutos de bicicleta (ou 15 a pé) chegaria na escola.

21 Banbury Road by Collin West (2013)

21 Banbury Road by Collin West (2013)

Desde 1881 a escola estava sediada na 21 Banbury Road, em uma residência feita por um famoso arquiteto britânico Sir Thomas Graham Jackson. A construção tem todo um estilo vitoriano (século XIX) que até hoje é visto como um ponto de visitas.

A escola era seletiva, ou seja, os alunos antes de iniciarem as aulas deveriam cumprir certos requisitos. O primeiro seria ter idade entre onze e dezesseis anos e em seguida serem aprovados em testes de sua capacidade educacional para serem admitidos.

A partir de 1944, em decorrência de um ato de reforma da educação inglesa, a Oxford High School for girls passou a ser enquadrada como uma escola secundária de gramática (Grammar school), onde era ensinado as línguas clássicas (latim e grego), literatura  inglesa e foco na gramática inglesa, matemática, geografia e história.

 

Relacionamentos com pais, irmãos e amigos

 

O professor Tolkien sempre foi muito carinhoso com seus filhos. Talvez até uma compensação por não ter conseguido passar muito tempo com seus pais em sua infância. Além de presentear os filhos, contar histórias ao pé da cama e inventar brincadeiras, ele devotava uma atenção especial.

Como bem lembra Priscilla:

“O estudo de nosso pai em casa foi de certa forma o centro da casa. Nunca foi um território proibido para nós, exceto quando ele estava ensinando, e em uma ocasião quando eu fui para lhe mostrar os meus novos desenho, pensando que ele estava sozinho, fui apresentada com grande cortesia a seu aluno”.(Memories of J.R.R. Tolkien in His Centenary Year)

Constantemente Priscilla passeava de bicicleta com seu pai e ia assistir a missa nas Igrejas Católicas da região. Certa vez, em novembro de 1944, em uma dessas passeadas de bicicleta, enfrentando ventos e chuva, eles foram ao St. Gregory, onde assistiram o sermão do Padre Douglas Carter sobre Cristo e os milagres modernos. Isso fez o professor Tolkien refletir sobre a palavra eucatastrophe, que ele havia criado para descrever uma virada de felicidade em uma história.

O professor Tolkien tinha vários alunos que constantemente o visitavam. Normalmente Priscilla e seus irmãos não tinham muito contato com os alunos, porém ainda criança Priscilla e a família Tolkien fizeram amizade com Simonne d’Ardenne, uma Belga que teve aulas de Médio Inglês com Tolkien entre 1932 e 1936.

Por volta de 18 de outubro de 1932, Simonne d’Ardenne passou a morar com a família Tolkien e isso a aproximou muito das crianças, especialmente de Priscilla, com quem diariamente brincava. Simonne permaneceu na casa dos Tolkien por cerca de um ano, mas continuou enviando cartas ao professor Tolkien.

Tolkien e Priscilla na praia

Tolkien e Priscilla na praia

Com a Segunda Guerra Mundial, foi através de Simonne d’ Ardenne que o professor Tolkien conseguiu descobrir as atrocidades que Adolf Hitler estava realizando pela Europa. A vila onde Simonne morava fora atacada e ela e os moradores pediram ajuda aos pilotos dos aviões britânicos para se refugiarem na Inglaterra.

Assim, em março de 1945, Simonne chega em Oxford refugiada da guerra e encontra a família Tolkien, com quem morou por alguns meses e novamente visitando a família em 1947.

A amizade infantil de Priscilla com Simonne se estendeu com o tempo. Em 1948 Priscilla visitou Simonne na Bélgica, onde tiveram bons tempos juntas e percebeu que as roupas de lá não eram tão variadas quanto na Inglaterra pós-guerra. O relacionamento com d’Ardenne serviu para Priscilla como uma lembrança viva dos acontecimentos da segunda guerra mundial. Mais tarde o professor Tolkien visitou a Bélgica por duas vezes em 1950 e 1954.

Outra visita interessante na casa dos Tolkiens era o professor C.S. Lewis. Ele era uma pessoa muito agradável para as crianças, por ter uma mente aberta e jovial. Lewis sabia lidar com crianças muito bem, pois convivia com algumas durante o tempo da guerra. Conforme escreveu Humphrey Carpenter: “As crianças gostavam das visitas de Lewis à Northmoor Road porque ele não as tratava com condescendência e dava-lhes livros de E. Nesbit”.

Uma presença marcante na vida de Priscilla Tolkien foi também o Padre Morgan, o antigo tutor do professor Tolkien. Inicialmente a aparência do Padre Morgan não ajudou na relação entre o velho tutor e a criança. O padre vestia-se constantemente de batina preta, usava grandes óculos e tinha um chapéu grande preto. Essa aparência incomum para a menina assustava um pouco em seu primeiro encontro. O escritor José Manuel Ferrández Bru comenta esse primeiro encontro:

Tal como é indicado por Priscilla Tolkien, a presença do Padre Morgan se fazia notar e naquela ocasião não passou despercebida por uma menina que parou e ficou olhando fixamente para ele. Dando-se conta disso Morgan fez uma cena divertida, retirou seu chapéu grande da cabeça e girando disse com grande cerimônia boa tarde para a menina. Após isso, a menina que o havia fitado de cima para baixo bem quieta, começou a correr aterrorizada, seguramente surpreendida pela ação tão inesperada.Em certa medida existe um certo paralelo entre a reação da menina e o que ocorreu ao Troll do poema de Tolkien Perry-the-Winkle (Pervinco) , presente na coletânea de poemas de As Aventuras de Tom Bombadil, onde ele queria fazer amizade com os hobbits mas sua estranha aparência os assustava:

Olhou em redor, e a vista sua

Co’a velhinha Bunce topou,

De  cesta e sombrinha andando na rua;

Sorriu, parou e falou:

“Bom dia, senhora! Está boazinha¿

E como vai a saúde¿

Mas ela largou a cesta e a sombrinha

Soltando um grito bem rude”

(La Conexion Espanola de Tolkien, pp. 194-195)

Conforme Priscilla ia crescendo percebia cada vez mais a importância do Padre Francis Morgan, porém o convívio foi relativamente breve, pois ele era apenas um visitante na casa dos Tolkien e faleceu em 1935, quando Priscilla tinha ainda seis anos de idade.

É complicado expor todas as amizades comuns do professor Tolkien e de Priscilla, tendo em vista que a relação de filha e pai era muito aproximada. Eles constantemente saiam para festas e eventos juntos, além das visitas aos amigos de Oxford e outros lugares, o que ampliava as amizades em comum. Mas certamente Priscilla tinha suas próprias amizades da escola e entre os jovens de sua época, mas que não cabe ser mencionado aqui.

 

Lady Margaret Hall (1948 – 1951)

 

Entre os anos de 1948 a 1951, Priscilla Tolkien fez faculdade de Inglês na Lady Margaret Hall. Essa é considerada a mais antiga faculdade para mulheres de Oxford, sendo criada em 1878, e só admitindo matricula de alunos homens a partir de 1979.

Priscilla passou a ser uma residente na faculdade e seus pais então viveram sozinhos durante um bom tempo ao ano. Nessa época eles haviam se mudado para a 3 Manor Road, uma casa com um espaço menor do que as anteriores, já que os outros filhos de Tolkien não moravam mais com ele, porém não havia um espaço para que o professor pudesse escrever suas obras e trabalhar como professor.

No mesmo dia em que se matriculou na faculdade, em 10 de outubro de 1948, Priscilla assistiu as palestras de seu pai sobre Sir Gawain and Green Knight. E Priscilla se lembra dele apontando os erros que os editores haviam cometido na primeira versão e que felizmente foram corrigidos.

Lady margaret hall

Lady margaret hall

Durante o tempo da faculdade, uma de suas tutoras foi Dorothy Everett (1894-1953), uma antiga amiga de Tolkien e companheira de estudos e leitura de livros relacionados ao Inglês médio.

Finalmente, em sete de junho de 1951, Priscilla Tolkien realizou os exames finais para concluir o curso e com êxito conseguiu receber o diploma de Bacharel.

 

Facebooktwittergoogle_plusredditby feather

Sem comentários

Trackbacks/Pingbacks

  1. A vida de Priscilla Tolkien - Parte 1 - Tolkien Brasil - […] PARA LER A SEGUNDA PARTE CLIQUE AQUI. […]

Deixar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: