Saiba mais sobre O Hobbit, Senhor dos Anéis…

Christopher Tolkien, o último dos Inklings

Esse artigo foi feito em homenagem ao Christopher Tolkien, que comemora 90 anos em 21 de Novembro de 2014.

————

Christopher_Tolkien

Christopher Tolkien em 2012

Os Inklings eram um grupo de intelectuais que se reuniam informalmente em um pub de Oxford, o “The Bird and Baby” (O pássaro e o Bebê) que atualmente é chamado de The Eagle and Child (a águia e a criança).

Frequentavam esses encontros figuras conhecidas na literatura como o C.S. Lewis, J.R.R. Tolkien, Charles Williams, Owen Barfield e outros.

Nessas reuniões se discutiam diversos temas, desde a notícia do jornal da manhã até  poesia e religião. Foram nesses encontros que C.S. Lewis leu seu textos e até partes de seus livros sobre Nárnia (que Tolkien não gostou quase que de imediato).

Em seus encontros com os Inklings, o professor Tolkien gostava de discutir temas relativos a línguas, especialmente o Anglo Saxão. Mas também costumava preparar algum capítulo para ser lido de algum de seus possíveis livros, como foi o caso do Hobbit e O Senhor dos Anéis.

A importância dessas amizades para a formação do Senhor dos Anéis foi tamanha que, no prefácio da primeira edição de A Sociedade do Anel, Tolkien dedicou o livro aos Inklings nesses termos:

“Dedico o livro a todos os admiradores do Bilbo, mas especialmente aos meus filhos e minha filha, e aos meus amigos os Inklings. Para os Inklings, porque eles escutaram com paciência a história, e com um real interesse, que quase me leva a suspeitar que eles têm sangue hobbit em seus veneráveis ancestrais” (leia o prefácio da primeira edição completo AQUI) .

A maioria dos Inklings eram senhores que ocupavam cargos de professores na universidade ou que tinham alguma posição privilegiada. Mas havia exceções. Uma delas foi a aceitação do então jovem de 21 anos Christopher Tolkien.

Christopher John Reul Tolkien, nascido em 21 de novembro de 1924, é o terceiro filho de J.R.R. Tolkien. Atualmente é o responsável pela gerencia dos direitos autorais de seu pai e é considerado seu herdeiro literário.

Com a Segunda Guerra Mundial, Christopher Tolkien juntou-se a força aérea inglesa para defender seu país, realizando treinamentos de pilotagem na África do Sul. O maior problema é que Christopher era o principal assistente de seu pai na escrita de um livro que se pretendia chamar O Senhor dos Anéis. Seu pai acreditava que não poderia terminar o livro sem o auxílio do filho.

Felizmente, com o fim da Guerra, em 1945 o jovem voltou a Oxford com vida. Havia retomado seus estudos universitários interrompidos pela guerra e agora tinha como tutor o amigo do seu pai o C.S. Lewis.

Bird&Baby

The Eagle and Child, local de encontro dos Inklings

Foi nesse retorno que ele passou a frequentar alguns encontros dos Inklings a convite de seu pai, dos irmãos Lewis e de Robert Havard, que o conhecia desde criança.

Nos encontros rotineiros no The Eagle and Child, o Christopher Tolkien contava sobre suas experiências militares e sobre assuntos acadêmicos diversos. Nessas oportunidades seu pai lhe pedia para ler passagens de O Senhor dos Anéis, o que o jovem fazia muito bem.

Diferentemente de seu pai, que tinha uma voz abafada com uma tendência a falar rápido e sem clareza, Christopher tinha uma voz profunda, clara e sabia interpretar bem o texto dando emoção às palavras. E Foi justamente esse um fator que contribuiu para que entrasse no grupo de forma permanente.

Em 9 de outubro de 1945, Tolkien escreveu para Christopher, embora não fosse mais necessário, que os Inklings haviam decidido “considerar você um membro permanente, com direitos de entrada e o que não independente da minha presença ou o contrário”.

Os próprios Inklings concordavam que o jovem conseguia ler em voz alta e clara melhor do que seu pai. Certa vez o irmão de C.S. Lewis, o Warnie escreveu em seu diário em Fevereiro de 1947: “Chris deu-nos um admirável capítulo do Hobbit, lindamente lido”.

Em contraposição a essa afirmação, em outro dia, Warnie escreveu em seu diário

Tollers [apelido de Tolkien] deu-nos um capítulo do Hobbit; mas eu acho que todos vamos sentir falta das leituras do Christopher”.

Os encontros dos Inklings eram cheios de diversão, mesmo diante de dificuldades em um período pós segunda guerra. Diversos tipos de alimentos estavam em falta no Reino Unido e por isso não era comum banquetes no pub. Mas um amigo do C.S. Lewis enviava carnes e que este decidia dividir com seus amigos nesses encontros, cheios de histórias, bebida e muita fumaça de cachimbos.

Os Inklings, ao centro Christopher Tolkien

Os Inklings, ao centro Christopher Tolkien

Embora já fossem considerados nomes respeitados em Oxford, os membros dos Inklings jamais suspeitariam que Tolkien pudesse futuramente ser um grande sucesso literário na proporção que vemos atualmente. O Hobbit que havia sido publicado em 1937 tinha um relativo sucesso, porém estava mais restrito a leitores da Inglaterra. O sucesso global só viria mais tarde na década de 60.

Em 1948, Christopher Tolkien conseguiu concluir sua graduação com uma tradução de The Saga of King Heidrek the Wise. Nos anos seguintes trabalhou como palestrante e editor de livros sobre línguas do Anglo Saxão e Médio Inglês, tal como seu pai já trabalhava.

Após a morte de Tolkien em 1973, como herdeiro literário Christopher dedicou sua vida a editar os escritos do pai. Foi o responsável pela edição de quase todos os livros póstumos em especial O Silmarillion, Contos Inacabados e a incrível série de 12 volumes de A História da Terra Média, ainda não publicada no Brasil.

Mesmo com uma idade avançada Christopher Tolkien continua trabalhando na intenção de publicar textos inéditos de seu pai, com os devidos comentários e contextualizações. Os mais recentes foram Os Filhos de Húrin (2007), A Lenda de Sigurd e Gudrun (2009), A Queda de Artur (2013) e mais recentemente Beowulf: a translation and commentary (2014).

Com o passar dos anos quase todos os Inklings faleceram. Mas Christopher Tolkien ainda se mantém vivo aos 90 anos de idade, em 21 de Novembro de 2014. Com a morte de Owen Barfield em 1997, dentre os membros permanentes, Christopher passou a ser o último dos Inklings .

Christopher certamente é uma pessoa privilegiada, não por apenas ter sido filho de um grande escritor, mas por ser única pessoa viva que conseguiu presenciar nomes fenomenais como C.S. Lewis e Tolkien em um mesmo ambiente e de forma totalmente natural e descontraída. Em momentos de intimidade e de diversão com a leitura de seus romances. Desbravando os mundos imaginários de Nárnia e da Terra Média.

Veja o Christopher Tolkien lendo o final do último capítulo de O Senhor dos Anéis, o Retorno do Rei (ative as legendas no youtube):

Facebooktwittergoogle_plusredditby feather